Elano treina separado de novo e não deve enfrentar Portugal

quinta-feira, 24 de junho de 2010 12:59 BRT
 

Por Pedro Fonseca

DURBAN (Reuters) - O meio-campista Elano voltou a treinar em separado dos outros jogadores da seleção brasileira nesta quinta-feira, após ter levado uma pancada forte no tornozelo direito contra a Costa do Marfim, e deve desfalcar a equipe na partida de sexta-feira contra Portugal.

Elano, que marcou dois gols nos dois primeiros jogos do Brasil na Copa do Mundo, foi para o campo calçando tênis em vez de chuteiras e nem mesmo participou da roda de bobinho, tipo de aquecimento que os jogadores sempre fazem.

Após ter ficado de fora do treinamento de terça-feira para ser submetido a tratamento de fisioterapia no tornozelo direito, que machucou em uma entrada dura de Tioté no jogo de domingo contra os marfinenses, o jogador teve frustrada sua programada volta aos treinos na quarta-feira.

Bastaram os primeiros toques na bola durante o aquecimento para Elano sentir dores e abandonar a atividade, passando apenas a correr em volta do campo.

"Estou cheio de dor", disse o jogador a repórteres enquanto corria ao ser perguntado como estava se recuperando.

A situação de Elano contrasta com a informação que o médico da seleção brasileira, José Luis Runco, tinha passado depois da partida contra os marfinenses. Segundo Runco, em princípio, Elano não representava preocupação para o próximo jogo.

Num treino coletivo realizado na quarta-feira, o técnico Dunga escalou Daniel Alves como substituto de Elano no meio-campo da equipe. O treinador também optou por Julio Baptista na vaga de Kaká, que está suspenso pela expulsão contra a Costa do Marfim.

Classificado por antecipação para as oitavas-de-final, o Brasil enfrentará Portugal em Durban, na sexta, para decidir o primeiro colocado do grupo.

 
<p>Elano durante sess&atilde;o de treino em Johesburgo. O meio-campista voltou a treinar separado dos outros jogadores da sele&ccedil;&atilde;o nesta quinta-feira, ap&oacute;s ter levado uma pancada no tornozelo direito contra a Costa do Marfim. 23/06/2010 REUTERS/Paulo Whitaker</p>