Técnico português diz que empate foi "festa do futebol"

sexta-feira, 25 de junho de 2010 17:02 BRT
 

Por David Clarke

DURBAN (Reuters) - O técnico de Portugal, Carlos Queiroz, descreveu o empate morno de 0 x 0 com o Brasil nesta sexta-feira, encerrado ao som de vaias mais altas que as vuvuzelas, como uma "festa do futebol".

Sete cartões amarelos foram distribuídos pelo árbitro mexicano Benito Archundia no primeiro tempo da última partida pelo Grupo G, e ele poderia ter dado ainda mais durante os medíocres 45 minutos que só renderam uma boa chance de gol.

Se nenhum jogador recebeu punições na segunda etapa, o jogo foi recheado de divididas e passes frustrados, e os 62.712 espectadores recorreram às olas para se distrair.

"Foi um grande espetáculo, uma festa do futebol. O Brasil jogou com muita força nos primeiros minutos. Após esse período inicial de domínio, Portugal aos poucos começou a controlar o jogo, atacando quando tinha a posse de bola", disse Queiroz em entrevista coletiva.

"Atacamos, eles defenderam e vice-versa. Foi um grande jogo de futebol e os jogadores atuaram muito bem".

Na noite de quinta-feira havia grande esperança nos bares de Durban de que as duas seleções iriam se mostrar à altura da ocasião e agraciar o estádio com um clássico da Copa do Mundo.

Mas ao invés do placar de 6 x 2 visto no último confronto entre os dois times em um amistoso no Brasil, o jogo esfriou à medida que os portugueses se acomodavam com o empate, garantindo a classificação para as oitavas de final.

Queiroz se recusou a comentar quando indagado por um repórter por que pareceu tão irritado na lateral do campo.

"Estamos aqui para comemorar nossa classificação", disse ele. "É um grande dia para a língua portuguesa. O futebol falou português".

Portugal recebeu quatro dos sete cartões, mas Queiroz culpou seus adversários quando indagado por que o primeiro tempo foi tão tenso. "Você tem que perguntar isso ao Brasil, não a nós."

 
<p>T&eacute;cnico de Portugal Carlos Queiroz reage durante partida com o Brasil pelo Grupo G da Copa, que terminou em 0 x 0. REUTERS/Yves Herman</p>