June 25, 2010 / 10:18 PM / in 7 years

Gigantes caem, e fase de grupos premia caras novas

6 Min, DE LEITURA

<p>Brasil e Portugal se enfrentaram na 6a em Durban: ambas as equipes se classificaram &agrave;s oitavas-de-final.Paul Hanna</p>

Por Mitch Phillips

CIDADE DO CABO (Reuters) - O começo foi meio morno, mas quando a fase de grupos da Copa do Mundo pegou fogo, foi com uma intensidade memorável. Zebras incríveis, inclusive a inédita saída dos dois finalistas do Mundial anterior, frangos bizarros e uma esfuziante goleada de 7 x 0 marcaram estas emocionantes duas primeiras semanas de torneio na África do Sul.

Houve também algumas frustrações, a começar do continente anfitrião. Dos seis representantes africanos, só Gana passou às oitavas de final, e a África do Sul entrou para a história como primeiro país-sede a cair na primeira fase.

E os Bafana Bafana haviam começado cheios de entusiasmo, com um empate em 1 x 1 contra o México, num bem disputado jogo de abertura. Mas, como tantas outras seleções, a de Carlos Alberto Parreira preferiu valorizar a segurança acima de tudo, o que desandou na derrota de 3 x 0 contra o Uruguai.

Vários times entraram na primeira rodada tão preocupados em não perder que se esqueceram de tentar ganhar. Para Costa do Marfim, Camarões, Grécia e Sérvia, esses seriam jogos decisivos, mas a mentalidade de curto prazo lhes custou caro - a volta para casa.

INÍCIO RUIM

Os casos de Itália e França foram diferentes, e seus maus resultados iniciais eram mais fruto de um jogo desgastado do que da falta de ambição.

A notável implosão da França dentro e fora do gramado será a única lembrança que os Bleus deixarão nesta Copa. Eles empataram sem gols na estreia contra o Uruguai, foram dominados em seguida pelo México, e chegaram mentalmente devastados ao fatal jogo contra a África do Sul.

A Itália, pálida sombra da campeã de 2006, não esteve muito melhor, embora pelo menos tenha lutado com afinco até o final. O time foi improdutivo no empate com o Paraguai, mostrou-se terrivelmente burocrático no empate com a Nova Zelândia, e mereceu a derrota por 3 x 2 contra a Eslováquia.

Campeão e vice da última Copa partem após terminarem em último lugar em grupos que pareciam fáceis. O único consolo para seus treinadores, Marcello Lippi e Raymond Domenech, é que eles já haviam anunciado sua saída anteriormente.

Não foram os únicos gigantes acuados. A Espanha, campeã europeia e ainda uma das favoritas, foi surpreendida na estreia com um 1 x 0 contra a Suíça, mas se recuperou com vitórias sobre Honduras e Chile. A Inglaterra começou a Copa com dois empates e se classificou em segundo lugar na chave. A Alemanha perdeu para a Sérvia no seu segundo jogo, mas se classificou ao vencer Gana.

Quem achava que uma Copa feita no inverno ajudaria os jogadores europeus ficou sem argumentos. A Holanda foi o único time do continente a se classificar com três vitórias, embora Portugal também tenha feito uma campanha convincente.

"COPA AMÉRICA"

A grande força da Copa até agora é a América do Sul, e desta vez não são só Brasil e Argentina que impressionam. Uruguai e Paraguai venceram grupos complicados, e o Chile conseguiu a vaga após duas vitórias na primeira fase.

Eslováquia, Estados Unidos, Japão e Coreia do Sul também garantiram vaga nas oitavas de final apresentando um futebol ofensivo e aguerrido.

A ascensão deles talvez prove que hoje em dia não há mais jogo fácil numa Copa.

"Houve muitas surpresas, e os times demonstraram que não há tanta diferença entre eles", disse o meia-atacante holandês Arjen Robben à Reuters.

A vitória eslovaca sobre a Itália, especialmente nos agitados 20 minutos finais, provavelmente será lembrada como o grande jogo desta fase, mas outros certamente também merecem uma menção.

Austrália e Sérvia eram como dois pugilistas pesos-pesados ao final do 12o round, nocauteando-se mutuamente e caindo abraçados.

A Coreia do Norte, depois de chegar a dar um susto no Brasil ao perder só de 2 x 1, foi massacrada por uma inspirada seleção portuguesa, 7 x 0. A Nova Zelândia conseguiu a façanha de terminar a Copa invicta, após três empates.

A famosa previsão de Pelé de que uma seleção africana ganharia a Copa antes do fim do século não se cumpriu no século 20, e, a julgar por esta Copa, talvez não se cumpra neste também.

O continente levou um número inédito de seleções ao torneio - seis -, mas quase todas foram dominadas por seus rivais, e conflitos internos continuaram sendo um problema. Mesmo Gana se classificou marcando apenas dois gols, ambos de pênalti.

Até agora tem sido dramático, divertido e animador para os peixes pequenos que continuam vivos, mas os tubarões Brasil, Argentina e Alemanha, donos de dez títulos mundiais, ainda rondam ameaçadoramente nas profundezas.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below