Uruguai mostrou maturidade diante da Coreia do Sul, diz Tabárez

sábado, 26 de junho de 2010 17:17 BRT
 

PORT ELIZABETH, África do Sul (Reuters) - A seleção uruguaia deu, neste sábado, na Copa do Mundo da África do Sul, uma demonstração de coragem ao superar a Coreia do Sul por 2 x 1 em uma partida muito disputada, disse o técnico da "Celeste", Oscar Tabárez.

O atacante Luis Suárez marcou os dois gols dos uruguaios, que se classificaram às quartas de final do Mundial pela primeira vez em 40 anos e é o primeiro time a integrar o grupo das oito melhores seleções do torneio.

"A equipe deu demonstração de controle, maturidade e classe e jogou melhor nos últimos minutos da partida", afirmou Tabárez.

"Foi uma vitória muito trabalhada. O rival nos surpreendeu, pois apresentou uma equipe diferente das partidas anteriores. Eles prevaleceram na condição física", acrescentou.

O Uruguai abriu o placar aos oito minutos de partida, quando Suárez arrematou sem oposição depois de uma grande falha do goleiro, mas, a partir daí, os asiáticos começaram a pressionar e deixaram à mostra algumas falhas na defesa que não ficaram evidentes nas partidas anteriores.

"A Coreia fez uma grande partida. A sorte esteve com a gente e não com eles em algumas jogadas. O que se viu hoje demonstra o crescimento da Coreia", analisou Tabárez.

"Eles fizeram coisas que não faziam antes, hoje, da linha de zagueiros metiam bolas em nossa área", destacou.

O técnico se mostrou feliz em receber notícias de muitas comemorações no Uruguai depois que a equipe se classificou para as oitavas de final do Mundial pela primeira vez em 40 anos.

"Já nos chegou a informação, nos mandaram mensagens de texto e isso nos emociona muito", disse o treinador, que dirigiu o Uruguai no Mundial de 1990, na Itália.

"Há muito tempo que estávamos atrás de algo parecido, tomara que os festejos continuem", acrescentou.

 
<p>T&eacute;cnico da sele&ccedil;&atilde;o do Uruguai, Oscar Tab&aacute;rez, orienta a equipe durante partida pelas oitavas de final da Copa do Mundo contra a Coreia do Sul neste s&aacute;bado, em Port Elizabeth. REUTERS/Yves Herman</p>