Brasil desvaloriza sequência de goleadas contra Chile

domingo, 27 de junho de 2010 10:08 BRT
 

Por Pedro Fonseca

JOHANESBURGO (Reuters) - Apesar do retrospecto de sete vitórias seguidas contra o Chile nos últimos cinco anos, com 26 gols marcados, a seleção brasileira acredita que os rivais sul-americanos aprenderam com os erros dos últimos confrontos e faz questão de pregar respeito diante do adversário das oitavas de final da Copa do Mundo.

Sob o comando do técnico Dunga foram cinco jogos em três anos e meio, todos com goleadas brasileiras. O Brasil também venceu o Chile duas vezes em Copa do Mundo -- 4 x 2 na semifinal do Mundial de 1962, realizado pelos chilenos, e 4 x 1 nas oitavas de final de 1998, na França.

"Estatísticas não servem para nada, temos que respeitar todos os adversários. Jogamos bem os últimos jogos e ganhamos porque merecemos", afirmou neste domingo o atacante Robinho, antes do último treino da seleção brasileira para o jogo de segunda-feira, no estádio Ellis Park, em Johanesburgo.

A sequência de vitórias brasileiras começou com um 1 x 0 na primeira fase da Copa América de 2004, seguida por uma goleada de 5 x 0 nas eliminatórias da Copa do Mundo no ano seguinte.

Dois anos depois, o Brasil venceu outra vez de goleada, 4 x 0 num amistoso, e voltou a ganhar com facilidade mais duas vezes na Copa América de 2007: 3 x 0 na primeira fase e 6 x 1 nas quartas-de-final.

"É um jogo que a gente tem que esquecer tudo que já fizemos contra eles, é totalmente diferente", afirmou o volante Gilberto Silva a respeito da partida das oitavas de final, que classificará o vencedor para jogar com Holanda ou Eslováquia na fase seguinte.

"O retrospecto da seleção com o Chile tem sido excelente, mas agora é o momento do mata-mata", acrescentou o volante da seleção.

Das sete vitórias brasileiras seguidas, as duas últimas foram conquistadas apesar de o Chile ter se tornado uma equipe mais consistente após a chegada do técnico Marcelo Bielsa, que substituiu Nelson Acosta justamente após os 6 x 1 contra o Brasil na Copa América da Venezuela.   Continuação...

 
<p>O meia Kak&aacute; e o t&eacute;cnico Dunga conversam durante treino do Brasil no s&aacute;bado. REUTERS/Paulo Whitaker</p>