África do Sul detém 613 turistas durante Copa do Mundo

segunda-feira, 28 de junho de 2010 15:09 BRT
 

Por Gordon Bell

JOHANESBURGO (Reuters) - Funcionários da imigração da África do Sul impediram 613 pessoas "indesejáveis" de entrar no país antes e durante a Copa do Mundo, informou o departamento de assuntos domésticos.

O porta-voz Ronnie Mamoepa disse que os estrangeiros tiveram o ingresso negado porque seus nomes apareceram nas listas sul-africanas de vistos e de pessoas não autorizadas, além de listas de pessoas a ser observadas emitidas pela Interpol e pela Fifa.

"Os 613 viajantes estrangeiros foram detectados pelo sistema de controle de movimento da África do Sul lançado em maio deste ano", disse ele, sem esclarecer quantos dos indivíduos barrados são suspeitos de ser hooligans.

O país deportou ou barrou dúzias de torcedores suspeitos de violência de países como Inglaterra e Argentina durante o Mundial, além de pedir a outras nações ajuda para manter os arruaceiros longe.

Até agora não houve incidentes, com exceção de um torcedor inglês que invadiu o vestiário da seleção da Inglaterra sem causar problemas.

O governo disse ter sistemas prontos para proteger os torcedores e que suas unidades de inteligência estão cooperando com agências internacionais para prevenir qualquer eventual ameaça terrorista.

A promotoria local disse que até agora 142 casos foram conduzidos diante das 56 cortes especiais criadas para fornecer vereditos ràpidos durante a Copa.

O porta-voz da promotoria Mthunzi Mhaga disse que 64 pessoas foram consideradas culpadas nesses casos, com somente duas absolvições, e 31 casos foram retirados por falta de provas.