Brasil aposta em Holanda no ataque e avisa: "vão correr risco"

segunda-feira, 28 de junho de 2010 19:50 BRT
 

Por Pedro Fonseca

JOHANESBURGO (Reuters) - O Brasil acredita que encontrará diante da Holanda nas quartas de final da Copa do Mundo mais um adversário que vai buscar o ataque, da mesma forma que o Chile fez na partida desta segunda-feira em que acabou derrotado por 3 x 0 após ter deixado espaços para os contra-ataques brasileiros.

Se diante de Coreia do Norte e Portugal na primeira fase da Copa do Mundo o Brasil teve enormes dificuldades diante de defesas bem montadas, contra a seleção chilena a equipe do técnico Dunga encontrou o cenário perfeito para colocar em prática seu estilo de jogo de marcação forte e saída rápida para o ataque, conquistando sua mais convincente vitória no Mundial da África do Sul.

Contra a Holanda, equipe que tradicionalmente joga com três atacantes e que conta na atual geração com nomes talentosos como Arjen Robben e Wesley Sneijder, os jogadores brasileiros acreditam que mais uma vez poderão atuar da forma que mais lhe convém.

"A Holanda é um time que ataca muito, tem jogadores com características ofensivas, acho que a Holanda vai partir para cima do Brasil em busca do resultado. Mas a seleção que parte para cima do Brasil corre sérios riscos", afirmou após a partida com o Chile o atacante Luís Fabiano, autor do segundo gol brasileiro no estádio Ellis Park, seu terceiro no Mundial.

"Quando o adversário joga atacando o Brasil, o Brasil cria oportunidades e a bola chega no ataque", acrescentou o camisa 9, cujo gol saiu justamente após um contra-ataque puxado pela esquerda por Robinho.

Com três atacantes e pressionando a seleção brasileira em seu campo de defesa, o Chile conseguiu dificultar a saída de bola do Brasil e teve maior posse de bola nos primeiros 30 minutos de jogo. No entanto, depois que Juan abriu o marcador para o Brasil após cobrança de escanteio, os chilenos foram com tudo para o ataque e abriram os espaços que os brasileiros esperavam para contra-atacar.

A seleção holandesa tem como característica também buscar o ataque. Na vitória por 2 x 1 sobre a Eslováquia nesta segunda-feira, que classificou o time para o jogo contra o Brasil nas quartas de final, eles entraram em campo com quatro homens de frente, todos nomes de destaque no futebol europeu, Sneijder, Robben, Dirk Kuyt e Robin van Persie.

Para o Brasil, que sob o comando de Dunga tornou-se um time que encontra dificuldades contra rivais fechados mas tem ótimos resultados contra equipes que o atacam, a Holanda vai manter seu estilo de jogo na partida de sexta-feira em Port Elizabeth, independentemente da forma de atuar da seleção brasileira.

"É um time que vai jogar, até pela características dos jogadores, e é um time que joga e que vai deixar o Brasil jogar também", afirmou o meia Kaká.

De acordo com o volante Gilberto Silva, no entanto, o Brasil precisa se preocupar com o poder ofensivo do próximo rival. "É um adversário de muita qualidade, que gosta de jogar também, tem jogadores habilidosos no meio-campo e ataque, e a gente tem que ter uma atenção redobrada", alertou.

 
<p>Lu&iacute;s Fabiano comemora gol em vit&oacute;ria do Brasil por 3 x 0 sobre o Chile na Copa: pr&oacute;ximo advers&aacute;rio &eacute; a Holanda. REUTERS/Siphiwe Sibeko</p>