Torcedores "eliminados" descobrem maravilhas da África do Sul

sexta-feira, 2 de julho de 2010 09:37 BRT
 

Por Agnieszka Flak

PORT ELIZABETH (Reuters Life!) - Torcedores de seleções já eliminadas na Copa estão descobrindo que há muita coisa para mantê-los na África do Sul após o fim dos sonhos futebolísticos de cada um.

Desde acariciar leõezinhos até mergulhar com tubarões, a África do Sul tem uma miríade de atrações e está ávida para que os espectadores da Copa as conheçam, contem para os amigos em seus países e ajudem a fortalecer o setor turístico.

Chris Dorsey e seus amigos começaram seu tour de três semanas por Johanesburgo, a "cidade do ouro," e depois foram ao parque Kruger, principal vitrine da vida selvagem no país.

"Vimos leopardos, isso foi incrível... Será que teríamos vindo à África do Sul se não fosse pela Copa do Mundo? Talvez, um dia, mas isto definitivamente nos convenceu a vir explorar agora," disse o texano à Reuters.

A África do Sul gastou cerca de 40 bilhões de rands (5,2 bilhões de dólares) para organizar a Copa, na esperança de atrair milhões de turistas adicionais nos próximos anos e reverter estereótipos negativos, especialmente os associados à criminalidade.

"Você sempre ouve falar como este país é perigoso, mas não tive problema nenhum," disse o inglês Tom Flynn, 19 anos, antes de saltar do bungee jump instalado numa ponte perto de Plettenberg Bay, o mais alto desse tipo no mundo. Ele pulou usando uma peruca com as cores da Inglaterra e um vestido florido.

Jogadores e jornalistas foram roubados durante o torneio, mas a criminalidade até agora se restringiu a pequenos crimes, em geral resolvidos rapidamente pela polícia e por tribunais especiais.

A estimativa é de que até 370 mil turistas tenham ido à África para a Copa, muitos deles pisando pela primeira vez no continente.

"Não poderíamos ter uma publicidade melhor para o país," disse Roshene Singh, chefe do departamento de marketing do órgão oficial de turismo sul-africano. "Muita gente que está indo embora vai recomendar a África do Sul como destino de férias, e também pode voltar."