Dunga exime Felipe Melo de culpa e admite nervosismo

sexta-feira, 2 de julho de 2010 18:45 BRT
 

PORT ELIZABETH (Reuters) - O técnico Dunga eximiu o volante Felipe Melo de culpa pela eliminação da seleção brasileira na Copa do Mundo da África do Sul nesta sexta-feira, após a derrota por 2 x 1 para a Holanda. Ele admitiu, porém, que o gol da virada deixou a equipe desestabilizada.

Felipe Melo viveu dois momentos distintos dentro da partida. Primeiro deu o passe para Robinho abrir o placar aos 10 minutos de jogo. Depois acabou fazendo o gol contra que deu o empate à Holanda numa falha da defesa aos oito do segundo tempo, e foi expulso após dar um pisão em Arjen Robben minutos depois da virada holandesa.

"É difícil eu falar alguma coisa do Felipe, porque quando a gente ganhou, ganhou todo mundo", disse Dunga em entrevista coletiva após a partida, em que sinalizou que deixará o comando da equipe após o Mundial.

Apesar de buscar eximir seu volante de culpa pela derrota, Dunga reconheceu que a expulsão do jogador da Juventus atrapalhou a seleção.

"Jogar com um a menos numa Copa do Mundo com jogadores de qualidade da outra parte é sempre complicado", disse. "A gente não conseguiu manter a mesma concentração, a mesma forma de jogar do primeiro tempo", lamentou.

Após sofrer o gol de empate, os jogadores da seleção sentiram o golpe e o aparente desequilíbrio emocional se agravou após a virada holandesa.

"Ninguém prepara um time para perder", disse. "É lógico que esse nervosismo veio pelo fato de o adversário ter virado e pelo comprometimento que esses jogadores tiveram com a seleção brasileira", disse Dunga.

O treinador também fez críticas ao árbitro da partida, o japonês Yuichi Nishimura. Para ele, o juiz foi pressionado pelos holandeses em grande parte da partida e marcou faltas que, na visão de Dunga, não aconteceram. "Não é uma desculpa", ressalvou.

"DIGNIDADE"   Continuação...

 
<p>Felipe Melo foi expulso em partida contra a Holanda que eliminou o Brasil da Copa do Mundo: Dunga exime o jogador pela derrota e admitiu nervosismo. REUTERS/Rogan Ward</p>