Uruguai enfrenta batalha para se manter na elite do futebol

quarta-feira, 7 de julho de 2010 14:16 BRT
 

Por Brian Homewood

CIDADE DO CABO (Reuters) - O desempenho do Uruguai na Copa do Mundo, na qual chegou à semifinal, foi uma luta extraordinária do pequeno país contra as probabilidades, e se manter na elite do futebol pode se mostrar ainda mais difícil.

É possível que o Uruguai, derrotado por 3 x 2 pela Holanda na semifinal de terça-feira, nem se classifique para o próximo Mundial, no Brasil, em 2014, dadas as dificuldades que enfrenta.

Alguns especialistas desdenharam do time, ressaltando que os uruguaios bateram Gana nas quartas de final tão somente porque Luis Suárez interceptou um chute a gol do adversário com a mão no fim da prorrogação, mas houve muito a admirar na seleção que superou todas as expectativas.

Embora o Uruguai tenha vencido as Copas de 1930 e 1950, o país hoje mal sustenta uma liga profissional.

Poucos times da primeira divisão atraem mais do que alguns milhares de torcedores, e muitos dos estádios não seriam considerados adequados sequer para jogos semi-profissionais em muitos países europeus.

O Peñarol e o Nacional, que outrora dominaram a Copa Libertadores, não são mais temidos no continente, e os times uruguaios venceram o último de seus oito títulos em 1988.

Para muitos jogadores uruguaios, o único caminho é o aeroporto. Esses poucos felizardos vão para a Europa, mas o país também exporta dezenas de talentos para México, Argentina, Chile, Peru e Colômbia.

O técnico Oscar Tabárez, que também levou a seleção para as oitavas de final do Mundial de 1990, só vê seus jogadores algumas vezes por ano e alertou que as diferenças entre o Uruguai e os países europeus vem crescendo.   Continuação...

 
<p>Jogadores uruguaios lamentam elimina&ccedil;&atilde;o da Copa ap&oacute;s derrota para a Holanda na semifinal. REUTERS/Radu Sigheti</p>