Espanha sonha com taça e quer substituir Brasil como referência

quinta-feira, 8 de julho de 2010 12:30 BRT
 

Por Mark Elkington

MADRI (Reuters) - A conquista de sua primeira vaga em uma final da Copa do Mundo foi vista pela mídia espanhola como mais uma prova do valor de seu futebol elegante e ofensivo.

A vitória da Espanha por 1 x 0 sobre a Alemanha, vista até a quarta-feira como a seleção mais impressionante na África do Sul, levou os jornais espanhóis a cobrir o time do técnico Vicente del Bosque de elogios e debater suas chances na decisão de domingo contra a Holanda.

"Os melhores do mundo (e no domingo os campeões do mundo)", estampou o diário esportivo Marca na primeira página dupla com uma foto dos jogadores comemorando o gol de cabeça de Carles Puyol na partida de quarta-feira em Durban.

O El País escreveu: "Se o futebol é arte e heroísmo, a Espanha é o time a acompanhar. Em seu jogo contra a temida e deslumbrante Alemanha, eles mostraram ter tudo, foram sublimes e souberam arregaçar as mangas quando necessário".

Foi a forma como a vitória foi conquistada, o melhor desempenho espanhol no torneio até agora, o que mais rendeu comentários.

"A Espanha não venceu simplesmente, eles deram um show, jogaram de fraque e cartola", disse o jornal El Mundo.

"Houve um tempo em que se falava do Brasil de 1970 como exemplo máximo do futebol convertido em arte. Em breve se falará de Xavi, (Andres) Iniesta, (Xabi) Alonso e os outros mágicos."

O domínio impressionante da Espanha no jogo pode ser creditado a seus 'artistas' no meio campo, mas foi o descabelado e combativo Puyol que se tornou o centro das atenções nos jornais e na TV.

O zagueiro central do Barcelona, de 32 anos, é mais conhecido por suas divididas de último segundo, seus cachos e sua disposição de lutar até o fim do que por ser um goleador. Ele só havia feito dois gols em 88 convocações até decidir a partida e levar a Espanha para a final.

"Era Michael Jordan saltando perto da marca do pênalti... ou era o Super Homem? Não, era simplesmente Puyol, com molas nas panturrilhas, e uma capa de invencibilidade", disse o El Mundo.