Holandeses carecem do brilho habitual, mas são eficientes

sexta-feira, 9 de julho de 2010 20:02 BRT
 

Por Theo Ruizenaar

JOHANESBURGO (Reuters) - O técnico da Holanda, Bert van Marwijk, claramente aprendeu com os erros passados de seu país em grandes torneios, como se vê pela maneira como conduziu seu time até a final da Copa do Mundo contra a Espanha em Johanesburgo no domingo.

Marco van Basten liderou duas seleções empolgantes em grupos difíceis no Mundial de 2006 e na Euro 2008, para finalmente cair nas oitavas de final.

Quatro anos atrás, a Holanda se classificou como segunda do grupo atrás da Argentina em diferença de gols, mas foi eliminada por Portugal em uma partida tensa em Nuremberg.

Dois anos depois, lideravam seu grupo na competição europeia depois de varrer do caminho Itália e França quando se depararam com a Rússia comandada por Guus Hiddink na Basiléia.

Van Marwijk assumiu após a campanha de 2008 e fez o time atravessar as eliminatórias com oito vitórias consecutivas, que se somaram às seis na África do Sul incluindo os êxitos sobre Brasil, Uruguai e Eslováquia.

"Tentei instigar uma autoconfiança maior nos jogadores, mas é um longo processo", disse ele no início deste ano.

A MISSÃO

Desta vez, as quase inevitáveis diferenças foram postas de lado e desde o primeiro dia a equipe mostrou acreditar na missão revelada por seu treinador logo que foi empossado no cargo.   Continuação...

 
<p>Jogadores da Holanda l&ecirc;em jornal em Johanesburgo. O t&eacute;cnico da Holanda, Bert van Marwijk, claramente aprendeu com os erros passados de seu pa&iacute;s em grandes torneios, como se v&ecirc; pela maneira como conduziu seu time at&eacute; a final da Copa do Mundo contra a Espanha em Johanesburgo no domingo.07/07/2010.REUTERS/Thomas Mukoya</p>