Jornalista acusado de ajudar invasão de vestiário paga multa

sábado, 10 de julho de 2010 13:11 BRT
 

Por Wendell Roelf

CIDADE DO CABO (Reuters) - O jornalista Simon Wright, do tabloide britânico Sunday Mirror, teve arquivadas acusações de que teria contribuído para que um torcedor invadisse o vestiário da seleção inglesa durante a Copa do Mundo neste sábado, após pagar uma multa por admissão de culpa antes de seu julgamento na África do Sul.

Wright foi preso acusado de ajudar Pavlos Joseph a entrar ilegalmente no vestiário da Inglaterra após o empate sem gols com a Argélia na Cidade do Cabo em 18 de junho.

Joseph, segundo informações divulgadas pela imprensa na época, criticou os jogadores ingleses pelo desempenho da equipe na partida.

Após mais de três horas de negociações entre promotores e advogados de defesa de Wright, no entanto, a principal acusação, de tentar derrotar ou obstruir a administração da justiça, foi arquivada.

Wright passará a ter uma ficha criminal após pagar uma multa de 750 rands (99,10 dólares) por admissão de culpa por violar uma lei de imigração ao se registrar com um nome falso num hotel da Cidade do Cabo.

"A principal acusação, e primeira acusação alternativa, está removida da disputa e a multa de admissão de culpa de 750 rands em relação à segunda acusação alternativa está aceita e, dessa forma, a questão está encerrada", disse o juiz Joe Magele.

O ministro de Polícia da África do Sul, Nathi Mthethwa, elogiou o resultado, que considerou como uma "grande vitória" do sistema de Justiça criminal da maior economia africana.

"A admissão de culpa de Wright é uma indicação de que alguns jornalistas farão de tudo para conseguir uma história, até mesmo cometer um ato criminoso. Somos um país soberano, com leis que têm de ser cumpridas por todos os cidadãos, assim como por todos os visitantes", disse o ministro em comunicado.