Webber consegue vingança com vitória no GP da Inglaterra

domingo, 11 de julho de 2010 13:03 BRT
 

Por Alan Baldwin

SILVERSTONE, Inglaterra (Reuters) - Um agressivo Mark Webber venceu o Grande Prêmio da Inglaterra neste domingo após um impressionante começo de prova que alterou completamente a sua situação com o companheiro de equipe Sebastian Vettel.

A vitória colocou um sorriso no rosto do australiano, que foi obrigado a dar a asa dianteira do seu carro para o piloto alemão no sábado em uma controvérsia que gerou acusações de favorecimento na Red Bull.

Webber, sem mostrar emoções no sábado, falou abertamente ao cruzar a linha de chegada e dizer pelo rádio: "Fantástico, nada mal para o segundo piloto da equipe", Ao que o executivo-chefe do time Christian Horner respondeu: "Muito bem, Mark, você pode sorrir agora."

Vettel, que começou na pole, mas perdeu várias posições na largada, lutou para chegar em sétimo lugar. O inglês Lewis Hamilton deixou a plateia de 120 mil pessoas feliz com o segundo lugar pela McLaren, com apenas 1,3 segundo atrás de Webber. Com isso, o piloto conseguiu aumentar a liderança no campeonato para 12 pontos à frente do companheiro de equipe Jenson Button com nove provas a serem disputadas.

Nico Rosberg, da Mercedes, fechou o pódio na terceira posição. Button foi o quarto.

A prova parecia ter a sua história definida do início, com os dois pilotos da Red Bull lado a lado na primeira fila prontos para batalhar.

Webber, mais do que nunca um australiano durão, não deu espaços e forçou Vettel a quase sair da pista ao mesmo tempo em que evitava repetir a batida que aconteceu na Turquia e acabou com as esperanças de uma dobradinha da Red Bull.

A dobradinha evaporou, no entanto, no meio da fumaça dos escapamentos quando Vettel foi forçado a parar na primeira volta com um furo no pneu direito traseiro que foi causado por uma colisão com a McLaren de Hamilton.   Continuação...

 
<p>O piloto australiano Mark Webber comemora a vit&oacute;ria no Grande Pr&ecirc;mio da Inglaterra em Silverstone, 11 de julho de 2010. REUTERS/Steve Crisp</p>