Impasse sobre estádio de SP na Copa 2014 continua após reunião

quarta-feira, 21 de julho de 2010 17:54 BRT
 

Por Eduardo Simões

SÃO PAULO (Reuters) - Cerca de duas horas de reunião entre o presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Ricardo Teixeira, e as principais autoridades do Estado e da cidade de São Paulo não foram suficientes para resolver o impasse em torno do estádio que receberá os jogos do Mundial de 2014 na maior cidade do Brasil.

O dirigente se reuniu nesta quarta-feira com o governador de São Paulo, Alberto Goldman (PSDB), e o prefeito da capital paulista, Gilberto Kassab (DEM), na sede do governo estadual e, a julgar pelo que foi dito após o encontro, o impasse continua.

"Não se falou de nada objetivamente, só se falou genericamente da necessidade de São Paulo ter uma grande participação na Copa de 2014", disse Teixeira, que também preside o comitê organizador local do Mundial, numa rápida declaração a jornalistas.

"Concordamos com o espírito de fazermos o máximo para trazer a abertura da Copa para São Paulo", acrescentou o dirigente, ao lado de Goldman e Kassab. "Dentro das próximas semanas, nós vamos conseguir uma solução para que isso ocorra."

A três anos da Copa das Confederações, evento-teste realizado um ano antes do Mundial, São Paulo ainda corre risco de ficar de fora da competição devido a indefinição a respeito do estádio. Além disso, a cidade perdeu espaço na corrida pela partida de abertura da Copa em consequência do impasse.

Durante a Copa do Mundo da África do Sul, a Fifa e o comitê organizador local da Copa de 2014 anunciaram a exclusão do Morumbi do Mundial. O estádio, que pertence ao São Paulo Futebol Clube, havia sido escolhido pelas autoridades paulistas para ser o local das partidas disputadas na cidade durante a Copa.

De acordo com a Fifa, não foram apresentadas as garantias financeiras para a realização do projeto de reformas no Morumbi para o Mundial. A exclusão do estádio iniciou uma onda de especulações em torno de qual arena seria a sede paulista na Copa, e colocou em dúvida a capacidade da cidade de abrir o Mundial.

"Não parece lógico que você faça um brutal investimento para o jogo da abertura e o mesmo investimento para a final", disse à Reuters o presidente do Sindicato Nacional das Empresas de Arquitetura e de Engenharia (Sinaenco), José Roberto Bernasconi, cuja entidade participa de projetos ligados ao Mundial.   Continuação...

 
<p>Est&aacute;dio do Morumbi foi vetado pela Fifa para sediar a Copa do Mundo em S&atilde;o Paulo: impasse sobre onde ser&atilde;o os jogos na capital paulista prossegue. 21/05/2006 REUTERS/Paulo Whitaker</p>