Definir estádio de São Paulo é "urgente", diz ministro

quarta-feira, 28 de julho de 2010 19:45 BRT
 

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O impasse a respeito do estádio de São Paulo é o principal problema da preparação brasileira para sediar a Copa do Mundo de 2014, mas a capital paulista prometeu apresentar uma solução dentro dos próximos dias ou semanas, disse nesta quarta-feira o ministro do Esporte, Orlando Silva.

O ministro, em teleconferência com a imprensa internacional sobre os preparativos do país para o Mundial da Fifa e a Olimpíada de 2016 no Rio de Janeiro, defendeu que São Paulo seja a cidade da abertura da Copa, desde que esteja em condições de receber o primeiro jogo da competição.

"Temos insistido com o governo de São Paulo que a decisão do estádio é um tema absolutamente urgente", disse o ministro. "A demora na definição pode acabar aumentando o custo das obras."

O Morumbi, primeira escolha paulista para sediar o Mundial, foi descartado pela Fifa depois que o São Paulo Futebol Clube, proprietário do estádio, não apresentou as garantias financeiras para as reformas necessárias para a Copa.

Entre as opções paulistas, estão a construção de um estádio completamente novo em Pirituba, zona norte da capital, uma reforma e ampliação do estádio do Pacaembu, inaugurado em 1940, uma ampliação no projeto de reforma do Palestra Itália, do Palmeiras, e a construção de uma nova arena pelo Corinthians.

Uma reunião foi realizada na semana passada entre o governador Alberto Goldman (PSDB), o prefeito da capital, Gilberto Kassab (DEM), e o presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Ricardo Teixeira, para discutir o tema, mas as autoridades não chegaram a qualquer acordo.

"O prefeito me prometeu em poucos dias, em poucas semanas, a definição final sobre o estádio", afirmou Orlando Silva. "Acredito que São Paulo deveria ser a cidade de abertura do Mundial da Fifa, mas para isso, a preparação da cidade deve estar à altura do desafio."

Apesar da indefinição paulista, o ministro garantiu que o Brasil vai cumprir os prazos e terá estádios "de última geração" tanto para o Mundial como para a Copa das Confederações, que acontece em 2013. Segundo ele, seis das 12 cidades já iniciaram as obras das arenas --Manaus, Cuiabá, Natal, Salvador, Belo Horizonte e Brasília.

Os estádios têm à disposição uma linha de financiamento do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) de 4,8 bilhões de reais --até 400 milhões de reais para cada um-- que está incluída num investimento total de mais de 23 bilhões de reais que o governo federal fará em obras voltadas para a Copa do Mundo.   Continuação...

 
<p>O Morumbi, primeira escolha paulista para sediar o Mundial, foi descartado pela Fifa depois que o S&atilde;o Paulo Futebol Clube, propriet&aacute;rio do est&aacute;dio, n&atilde;o apresentou as garantias financeiras para as reformas necess&aacute;rias para a Copa. 08/07/2010 REUTERS/Nacho Doce</p>