Palestinos protestam na Fifa por restrições israelenses

quinta-feira, 12 de agosto de 2010 15:24 BRT
 

AR-RAM, Cisjordânia (Reuters) - A federação palestina de futebol apresentou uma reclamação à Fifa a respeito da decisão israelense de impedir seis jogadores da seleção palestina de deixar a Cisjordânia para um amistoso.

O técnico palestino foi obrigado a substituir os jogadores titulares por outros para a partida de quarta-feira contra a Mauritânia, que terminou empatada em 0 x 0, de acordo com um porta-voz da Associação Palestina de Futebol.

Os seis jogadores foram informados que não poderiam deixar a Cisjordânia, região ocupada por Israel desde 1967, porque são moradores da Faixa de Gaza, disse Suleiman al-Abeid, meio-campista de 28 anos e um dos jogadores impedidos de viajar.

Abeid viajou pela última vez com a seleção dois meses atrás, para um jogo no Sudão. Ele disse que normalmente recebia permissão israelense para viajar ao exterior para jogar. Os palestinos de Gaza necessitam de autorização de Israel para deixar a Cisjordânia.

"Nós fomos avisados: sem permissão, sem coordenação, porque nós somos de Gaza", disse ele após um treino de seu clube, o al-Amaari, no estádio ar-Ram, no norte de Jerusalém. "Estamos muito tristes".

Um porta-voz do governo israelense não fez nenhum comentário. O movimento Hamas que controla a Faixa de Gaza é inimigo de Israel. Militantes de Gaza já lançaram milhares de foguetes e morteiros contra Israel, tendo como alvo cidades israelenses do outro lado da fronteira.

Abeid deixou Gaza para seguir carreira de jogador na Cisjordânia. Sua permissão expedida por Israel para morar na região expirou pouco depois de sua chegada.

Agora ele pensa em voltar para Gaza, onde reencontraria esposa e filhos após 18 meses. Mas voltar para casa significa o fim de sua carreira de jogador.

"Em Gaza não existe futebol", disse Abeid.

Jibril Rajoub, que lidera a federação de futebol e o comitê olímpico palestinos, disse à Reuters: "A ocupação mantém o esporte sitiado."

(Reportagem de Tom Perry e Hamuda Hassan)