Uefa proíbe vuvuzelas nos torneios europeus

quarta-feira, 1 de setembro de 2010 10:33 BRT
 

Por Brian Homewood

BERNA (Reuters) - As vuvuzelas foram banidas das competições europeias de futebol, depois de a Uefa decidir que elas sufocam o grito das torcidas e tiram a emoção do jogo.

As polêmicas cornetas de plástico viraram a marca da última Copa do Mundo, na África do Sul, quando todos os jogos eram acompanhados por seu zumbido constante, comparável ao de um enxame de abelhas.

Pela decisão de quarta-feira da Uefa (entidade que dirige o futebol europeu), as vuvuzelas serão proibidas nos jogos de torneios como Liga dos Campeões, Liga Europa, e eliminatórias da Eurocopa-2012.

Em nota, a entidade disse que a decisão ocorreu "por razões relacionadas à cultura e à tradição do futebol na Europa" e que "a atmosfera das partidas seria alterada pelo som das vuvuzelas."

"No contexto específico da África do Sul", prossegue a nota, "a vuvuzela acrescenta um toque de sabor local e folclore, mas a Uefa sente que o uso disseminado do instrumento não seria apropriado na Europa, onde um contínuo e elevado ruído de fundo seria enfatizado."

"A mágica do futebol consiste num intercâmbio de mão dupla das emoções entre o campo e a arquibancada, onde o público pode transmitir toda uma gama de sentimentos aos jogadores... A Uefa é da opinião de que as vuvuzelas alterariam completamente a atmosfera, afogando as emoções dos torcedores e esvaziando a experiência do jogo."

A proibição parece meramente "acadêmica", já que as vuvuzelas praticamente não deram o ar da graça na Europa nestas primeiras semanas da nova temporada após a Copa.

A decisão da Uefa é mais um capítulo na aparente reação mundial contra as cornetas africanas, embora a palavra "vuvuzela" tenha entrado no mês passado para o dicionário Oxford de inglês.

 
<p>F&atilde; com vuvuzela durante quartas de final da Copa do Mundo entre Brasil e Holanda. As vuvuzelas foram banidas das competi&ccedil;&otilde;es europeias de futebol, depois de a Uefa decidir que elas sufocam o grito das torcidas e tiram a emo&ccedil;&atilde;o do jogo. 02/07/2010 REUTERS/Mike Hutchings/Arquivo</p>