Rio vai apresentar logo da Olimpíada de 2016 no réveillon

segunda-feira, 13 de setembro de 2010 18:58 BRT
 

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A logomarca dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, em 2016, será conhecida na tradicional festa de réveillon na praia de Copacabana, segundo o secretário municipal de Turismo, Antonio Pedro Figueira de Mello.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi convidado para acionar o dispositivo que vai exibir a marca ao público.

"A surpresa só será desvendada para quem estiver acompanhando de perto o espetáculo", disse o secretário a jornalistas nesta segunda-feira, acrescentando que o presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), Jacques Rogge, será convidado para passar a virada do ano em Copacabana.

A logomarca, cujo processo de seleção terminou no último dia 2, está sendo guardada em sigilo. A Secretaria de Turismo ainda não sabe se a logomarca vai ser projetada ou se ela fará parte do show pirotécnico na orla de Copacabana. Além da alusão ao Jogos de 2016, haverá menções aos Jogos Militares de 2011 e à Copa do Mundo de 2014.

"Dificilmente será na queima de fogos. É mais provável que haja projeção da logomarca em telões", disse à Reuters uma assessora da Secretaria de Turismo.

A queima de fogos ocorrerá em 11 balsas atracadas na orla, contendo 1.200 bombas cada. O réveillon, segundo a prefeitura, será "piromusicado e a queima será dividida em etapas".

Haverá ainda shows em palcos na areia da praia com DJs, artistas populares e escolas de samba. Serão montadas 40 torres de som, 30 torres de policiamento, quatro telões, sete postos médicos, 26 UTIs móveis e 60 maqueiros na orla de Copacabana, que deve receber mais de 1 milhão de pessoas.

"Uma das melhores notícias na festa desse ano é que ela sairá a custo zero para a prefeitura, uma vez que os custos já estão totalmente cobertos pelos patrocinadores, que entram com uma cota de 3,5 milhões de reais cada um", disse Figueira de Mello ao destacar que devem ser gastos este ano 17,5 milhões de reais no réveillon contra 15 milhões na virada de 2009 para 2010.

(Por Rodrigo Viga Gaier)