9 de Outubro de 2010 / às 15:52 / 7 anos atrás

Kobayashi é o novo filho do Japão brilhando na Fórmula 1

<p>O piloto da Sauber Kamui Kobayashi deixou de ser um f&atilde; que assistia as corridas nas arquibancadas do Jap&atilde;o para se tornar o novo filho do pa&iacute;s na F&oacute;rmula 1 em apenas um ano.Kim Kyung-hoon</p>

Por Dan Sloan

SUZUKA (Reuters) - O piloto da Sauber Kamui Kobayashi deixou de ser um fã que assistia as corridas nas arquibancadas do Japão para se tornar o novo filho do país na Fórmula 1 em apenas um ano.

Kobayashi estava no time reserva da Toyota no Grande Prêmio de Suzuka no ano passado, atrás do italiano Jarno Trulli e de Timo Glock, e fez uma rápida participação no treino daquela sexta quando Glock ficou de fora.

Ele substituiu o alemão Glock, que se machucou no treino classificatório para a prova do Japão naquele ano, participou de outras duas corridas e conseguiu a sexta colocação em Abu Dhabi antes da Toyota abandonar o esporte e deixá-lo sem perspectivas.

"Naquele sábado (em Suzuka) eu não pude ficar com o carro de Tim, mas neste ano em Suzuka é diferente," disse o piloto de 24 anos após uma chuva forte ter acabado com a possibilidade de realização do treino classificatório.

Kobayashi já conquistou 21 pontos nesta temporada e começou o ano como o único piloto japonês na Fórmula 1. Durante o ano, ele teve a companhia do conterrâneo Sakon Yamamoto na Hispania, uma equipe que ainda está longe de ficar perto da zona de pontuação.

"É a primeira vez que eu volto ao Japão para correr, mas não há pressão. Eu só vou sair e correr do meu jeito," disse Kobayashi, que mora em Paris. "Conquistar pontos é o meu objetivo constante."

Kobayashi, que odeia peixe cru apesar de ter um pai que é dono de um restaurante de Sushi em Amagasaki, teve rápido progresso desde o GP de Suzuka no ano passado. Ele marcou quase todos os pontos conquistados pela Sauber nesta temporada e o time suíço já confirmou a sua presença em 2011.

Sem equipes japonesas e com a saída da fornecedora de pneus Bridgestone no final deste ano, Kobayashi tem consciência do quão importante ele é para o futuro da F1 no Japão. "E é por isso que eu promovo o esporte. Eu não estou procurando por patrocinadores já que o ambiente ainda está complicado," disse o jovem piloto que pensava em ser comediante, mas descobriu que não era engraçado o suficiente.

No sábado, Kobayashi autografou muitas bandeiras japonesas da crescente legião de fãs que possui no país. Cerca de 3 mil pessoas esperaram sob forte chuva no "Kamui Kobayashi Corner," uma seção com ingressos esgotados para fãs que lutavam por uma chance de ver o piloto do seu país natal.

O fã Yuki Miyashita disse que chegou 7 horas da manhã após enfrentar uma viagem de duas horas para chegar ao local. "Estou muito feliz, eu queria ver um japonês no esporte. Ele é diferente de Takuma Sato," disse.

Sato, o piloto japonês com melhores resultados na F1, não voltou à modalidade desde que o time Super Aguri fechou em 2008.

A saída de Sato, assim como a saída de quase todas as empresas japonesas exceto a Mobilityland, controlada pela Honda, deixou uma das nações que mais produz carros no mundo procurando uma razão para voltar a se importar com o esporte.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below