Escolha das sedes não deve ser adiada, diz Blazer

domingo, 17 de outubro de 2010 15:23 BRST
 

Por Mike Collett

LONDRES (Reuters) - É pouco provável que a Fifa adie a decisão de quais países serão sede das Copas do Mundo de 2018 e 2022 após uma reportagem sobre venda de votos, disse neste domingo Chuck Blazer, membro do comitê executivo da entidade.

Blazer, falando à Reuters em entrevista por telefone de sua casa em Nova Iorque, disse esperar que o Comitê de Ética da Fifa lide rapidamente com as alegações e não vê razão para a Fifa mudar a decisão agendada para 2 de dezembro.

"O Comitê de Ética vai abordar diretamente estas questões e não deverá levar muito tempo para ter conhecimento de todos os fatos", disse Blazer.

"A data de 2 de dezembro foi escolhida especificamente à frente da 'temporada política' de congressos e eleições, e eu não vejo razão para ser adiada", acrescentou.

"A investigação pode começar imediatamente. Não há razão para que não seja assim."

A Fifa disse que irá investigar a reportagem do jornal Sunday Times afirmando que dois membros do comitê executivo teriam se oferecido para vender seus votos na disputa pela sede da Copa do Mundo de 2018.

O jornal disse que as ofertas foram feitas a seus repórteres que trabalhavam disfarçados e posando de lobistas de um consórcio de empresas privadas norte-americanas.

A reportagem afirma que o nigeriano Amos Adamu foi filmado pedindo dinheiro para um projeto pessoal e que o presidente da Confederação de Futebol da Oceania, Reynald Temarii, do Taiti, queria dinheiro para uma academia esportiva.   Continuação...