Vice-presidente da Fifa defende investigação após denúncia

segunda-feira, 18 de outubro de 2010 12:25 BRST
 

Por Ossian Shine

CINGAPURA (Reuters) - O vice-presidente da Fifa Reynald Temarii defendeu a realização de uma "investigação ampla e completa" após ser acusado por um jornal de ter oferecido vender seu voto na disputa pela sede da Copa do Mundo de 2018, disse nesta segunda-feira a Confederação de Futebol da Oceania (OFC), da qual é presidente.

O jornal inglês Sunday Times disse no fim de semana que Temarii e o nigeriano Amos Adamu -- ambos membros do comitê-executivo da Fifa -- ofereceram vender seus votos quando abordados por repórteres disfarçados como lobistas de um consórcio norte-americano.

Segundo o jornal, uma gravação mostra Adamu pedindo 500 mil libras (800 mil dólares) para um projeto pessoal, enquanto Temarii, do Taiti, pediu ao repórter disfarçado 2 milhões de dólares para financiar uma academia esportiva na sede da OFC.

"Diante das informações publicadas pelo Sunday Times, o presidente da OFC e vice-presidente da Fifa Reynald Temarii vai cooperar totalmente com o comitê de ética da Fifa e o secretariado-geral da Fifa", disse um comunicado da OFC.

"Reynald Temarii defende uma investigação ampla e completa para que os fatos possam ser esclarecidos."

A OFC informou que não fará mais nenhum comentário até que seja divulgado o resultado da investigação do comitê de ética da Fifa.

A Fifa vai decidir no dia 2 de dezembro, em Zurique, as sedes do Mundial de 2018 e de 2002. As escolhas serão feitas pelos 24 integrantes do comitê-executivo da entidade.