Fifa suspende dois executivos por suspeita de venda de votos

quarta-feira, 20 de outubro de 2010 18:07 BRST
 

Por Brian Homewood

ZURIQUE (Reuters) - Dois membros do comitê executivo da Fifa suspeitos de terem oferecido vender seus votos na eleição pela sede da Copa do Mundo de 2018 e de 2022 foram suspensos provisoriamente, anunciou nesta quarta-feira a entidade que controla o futebol internacional.

Claudio Sulser, chefe do comitê de ética da Fifa, disse em entrevista coletiva que o presidente da Confederação de Futebol da Oceania, Reynald Tamarii, ex-jogador do clube francês Nantes, e o nigeriano Amos Adamu foram suspensos de todas as atividades relacionadas ao esporte pelo período de 30 dias.

Sulser e seu comitê estão investigando as acusações feitas pelo jornal inglês Sunday Times de que a dupla teria oferecido vender seus votos na eleição do dia 2 de dezembro, quando os 24 integrantes do comitê-executivo da Fifa vão eleger as sedes das Copas de 2018 e 2022.

Ele disse que a decisão final sobre os dois será tomada em novembro.

Sulser também anunciou que outros quatro dirigentes -- todos ex-membros do comitê executivo -- foram suspensos "por ligação com suposta quebra dos estatutos da Fifa, do código de ética da Fifa e do código disciplinar da Fifa no processo de candidatura para as Copas do Mundo de 2018 e 2022".

Eles foram identificados como Slim Aloulou (Tunísia), Amadou Diakite (Mali), Ahongalu Fusimalohi (Tonga) e Ismael Bhamjee (Botsuana).

Uma investigação também foi aberta para averiguar a suspeita de que dois países candidatos a sede teriam fechado acordos que infringem as regras e o código de ética.

Inglaterra, Rússia e Portugal-Espanha disputam o direito de organizar a Copa de 2018, enquanto Japão, Coreia do Sul, Catar, EUA e Austrália são os candidatos para 2022.   Continuação...