De volta à seleção, Ronaldinho diz que meta é jogar Copa de 2014

terça-feira, 16 de novembro de 2010 15:35 BRST
 

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Ronaldinho Gaúcho ainda não conseguiu apagar a decepção por ter ficado de fora da Copa do Mundo deste ano, e a busca por uma vaga no Mundial de 2014 no Brasil é a grande motivação do jogador em seu retorno à seleção brasileira.

Convocado para o amistoso de quarta-feira contra a Argentina em Doha, após mais de 1 ano e meio longe da seleção, Ronaldinho espera conquistar a confiança do técnico Mano Menezes e permanecer no grupo pelos próximos quatro anos.

"Fiquei fora da Copa (da África do Sul) e senti muita tristeza, mas tento transformar isso para o lado bom e espero estar bem para poder jogar a próxima Copa", disse o meia de 30 anos a jornalistas no Catar, em declarações reproduzidas por rádios brasileiras.

"Minha motivação é muito grande e tudo que passei serviu para me motivar ainda mais. Meu objetivo é a próxima Copa. Todo jogador sonha com a chance de jogar uma Copa no Brasil, e eu tenho essa possibilidade em 2014", acrescentou o jogador do Milan.

Em 2002, Ronaldinho formou o trio de ataque do Brasil ao lado de Rivaldo e Ronaldo na conquista do pentacampeonato mundial na Coreia do Sul e Japão. Ele também disputou a Copa de 2006 na Alemanha, mas não foi chamado pelo então técnico Dunga para o Mundial deste ano -- apesar da enorme expectativa do público por sua presença.

Na segunda-feira Ronaldinho realizou seu primeiro treino ao lado dos novos jogadores do Brasil, e pode ser escalado como titular contra os argentinos numa linha de frente ao lado de Neymar e Robinho, seu atual companheiro de clube no Milan.

"Primeira vez é sempre a primeira vez. Agora a emoção é diferente, até por não ter disputado a Copa e por estar há muito tempo fora. A alegria agora é em dobro", afirmou.

"Quero ficar na seleção. Esse tempo longe me motivou muito", acrescentou.

(Reportagem de Rodrigo Viga Gaier)

 
<p>Ronaldinho treina com a sele&ccedil;&atilde;o brasileira em Doha, local do amistoso de quarta-feira contra a Argentina. REUTERS/Mohammed Dabbous</p>