Fifa deve olhar o próprio futuro após escolha de sedes da Copa

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010 10:38 BRST
 

Por Brian Homewood

ZURIQUE (Reuters) - A Fifa livrou-se por um bom tempo do polêmico tema de escolha de sedes das Copas do Mundo e agora poderá dedicar-se a resolver o próprio futuro, após meses bastante conturbados.

Após ter decidido realizar a Copa de 2018 na Rússia e a de 2022 no Catar, a Fifa pode passar os próximos dez anos sem ter de escolher uma nova sede de Mundial, já que a competição seguinte só acontecerá em 2026.

Isso pode levar a federação internacional a dar uma boa olhada para o retrovisor.

O comitê-executivo da Fifa, responsável por tomar as principais decisões no mundo do futebol, foi reduzido de 24 a 22 membros após um escândalo de corrupção no mês passado que resultou na suspensão de dois integrantes, um deles por ter aceito suborno.

O presidente da Fifa, Joseph Blatter, envergonhado depois que o caso foi revelado pelo jornal britânico Sunday Times, e não pela própria federação, disse à época que a entidade precisa ser mais rígida para impedir condutas irregulares.

"Temos que trabalhar para evitar situações como essa no futuro. Essa é uma questão delicada", disse ele. "Pela experiência na vida, você não pode repetir o mesmo erro."

O ex-secretário-geral Michel Zen-Ruffinen pediu que a Fifa seja alvo de investigações externas. Mas a questão é se a entidade vai mesmo agir, sem ter de se preocupar pela próxima década com a definição de sedes da Copa do Mundo, ou se vai simplesmente se acomodar e deixar a poeira baixar.

Blatter insistiu que o comitê de ética, liderado pelo ex-atacante suíço Claudio Sulser, é capaz de policiar a Fifa.

Mas, em meio às crescentes preocupações para a imagem do país-sede da Fifa, o ministro do Esporte do governo suíço considera a possibilidade de ampliar a abrangência de suas leis anticorrupção, que atualmente não abarcam organizações esportivas internacionais.

Se a lei for mudada, a Fifa será obrigada a aceitar interferência externa, goste disse ou não.