Presidente do Barça assume culpa por atraso em Osasuna

domingo, 5 de dezembro de 2010 16:37 BRST
 

MADRI (Reuters) - O presidente do Barcelona, Sandro Rosell, assumiu toda a responsabilidade pela confusão que quase tirou o time catalão da partida contra o Osasuna no sábado.

O campeão da temporada passada tinha planejado voar até Pamplona na manhã de sábado para uma partida marcada na noite do mesmo dia, mas a inesperada greve dos controladores de voo espanhóis impediu a saída do avião.

Durante à tarde do mesmo dia, o Barça confirmou o adiamento da partida para o domingo, fato que foi negado pela Federação Espanhola de Futebol (RFEF) e pelo Osasuna.

Na confusão, o Barça foi forçado a percorrer 350 km de trem e ônibus para chegar em Pamplona e não perder a chance de disputar a partida. Eles chegaram no momento que o jogo estava marcado para começar e a partida atrasou 50 minutos. O jogo terminou com a vitória dos catalães por 3 x 0 e a liderança na tabela.

"Eu vi comentários de todos os tipos. Criticaram a nossa falta de planejamento, a nossa estratégia de comunicação e duvidaram da nossa capacidade de gerenciar crises como a de ontem", disse Rosell em carta aos membros do clube publicada no site (www.fcbarcelona.com).

E completou: "Eu assumo a completa responsabilidade pelo que aconteceu. Eu confiei na RFEF e na AENA (organização espanhola responsável pelos aeroportos). Isto serviu para tirarmos conclusões para o futuro."

O Osasuna e a imprensa local questionaram a atitude do Barcelona e a maneira com que eles lidaram com a situação. Tanto o Valencia quanto o Atlético de Madri viajaram na sexta de ônibus para participar das partidas contra Real Madri e Levante, respectivamente.

"Não é certo que acusem os nossos diretores, o nosso técnico e jogadores de se recusarem a viajar se não fosse de avião. Isto é falso, injusto e inaceitável, já que as decisões foram tomadas e autorizadas por mim", acrescentou Rosell.

Ainda no sábado, a RFEF admitiu que sugeriu o adiamento da partida para o domingo, mas que o Osasuna não concordou com a mudança.