12 de Dezembro de 2010 / às 16:52 / em 7 anos

Colombiano Molina está ansioso para jogo com a Inter de Milão

ABU DHABI (Reuters) - Mauricio Molina, que ajudou o sul-coreano Seongnam a chegar à semifinal do Mundial de Clubes contra a Inter de Milão, é o primeiro colombiano a brilhar no futebol asiático.

“Mao” Molina, que ajudou a Colômbia a vencer a Copa América pela primeira vez em sua terra natal em 2001, aos 21 anos, acabou na Coreia do Sul após passar por nove clubes em quatro continentes.

“Este é o ponto máximo de minha carreira, estar no Mundial de Clubes da Fifa”, disse à Reuters o meia-atacante, segundo maior artilheiro da Liga dos Campeões da Ásia este ano.

“Eu fui campeão com o meu país na Copa América, mas esta é uma Copa do Mundo e seria incrível vencer”, afirmou ele após o Seongnam vencer os anfitriões Al-Wahda por 4 x 1 para chegar ao embate com os campeões europeus.

Molina marcou o primeiro gol aos quatro minutos, e suas habilidades com a bola parada, primeiro com um escanteio e depois numa falta, resultaram em mais dois no estádio Zayed Sports City, no sábado.

O Seongnam retorna ao mesmo local na quarta-feira para enfrentar a Inter, que Molina definiu como “uma das melhores equipes do mundo, mas temos de acreditar que será possível surpreendê-los”.

NOVA ETAPA

Ganhar o título continental na Ásia foi um passo além do que Molina conseguiu em 2003 pelo colombiano Independiente Medellín, que foi semifinalista da Copa Libertadores.

Molina, que jogou pelo Al-Ain, dos Emirados Árabes Unidos, em 2004, disse ter se adaptado bem à Coreia do Sul e estar jogando com mais prazer que há algum tempo. Ele tem uma média de quase um gol a cada dois jogos pelo Seongnam no campeonato coreano.

“Estou muito feliz lá, minha família está confortável, eu gosto da cultura e espero ficar um bom tempo”, disse Molina, que também jogou em clubes da Argentina, Brasil, Paraguai, México e Sérvia.

Ele ficou fora das convocações da Colômbia por alguns anos, mas espera receber uma chamada do treinador Hernan Gomez que está preparando o time para a Copa América na Argentina em julho.

“Não fui convocado para a seleção durante algum tempo, eu não sei como está a montagem agora, mas, obviamente, você não perde as esperanças”, disse ele.

“Eu me sinto bem na Ásia, cheguei à maturidade e chegar ao Mundial de Clubes é uma forma de mostrar o que ainda posso fazer.”

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below