Catar se irrita com conversas sobre Copa-2022 "fora de época"

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011 16:01 BRST
 

Por Mike Collett

DOHA (Reuters) - Mohammed Bin Hammam, o presidente catariano da Confederação Asiática de Futebol, disse que os anfitriões da Copa do Mundo de 2022 resistirão aos esforços de remarcar o torneio para os meses de inverno no Hemisfério Norte.

"Nós apresentamos uma candidatura sugerindo que estaremos prontos em junho e julho. E dissemos que vamos enfrentar todos os desafios e cumpriremos todas as exigências", disse Bin Hammam à Sky News.

"Nosso foco está em junho e julho. Nunca foi nosso interesse mudar para uma semana depois de junho e julho."

O presidente da Fifa, Sepp Blatter, disse a jornalistas na semana passada que acha que a Copa do Mundo será transferida para os meses de inverno, mas acrescentou que o organismo que regula o esporte no mundo não poderia tomar a providência, a menos que a federação do Catar lhe pedisse autorização para tal.

Desconcertantemente, Blatter também disse que a Fifa tinha a palavra final em todos os assuntos relacionados à realização da Copa do Mundo, sugerindo que mesmo que o Catar não solicitasse a transferência de data, a Fifa ainda poderia fazer a mudança.

Bin Hammam, que considera a possibilidade de se posicionar contra Blatter na eleição da Fifa em junho, acrescentou que a estrutura da Fifa "não ajuda nem é útil a nosso mundo."

Em outra guinada, o presidente da Uefa, Michel Platini, disse nesta semana que o Catar deveria dividir a Copa do Mundo com alguns de seus vizinhos no Golfo, outra sugestão rejeitada por Bin Hammam.

"O Catar pode se manter e organizar a competição sozinho," afirmou ele.

Afshin Ghotbi, o influente técnico do Irã, disse à Reuters numa entrevista na quinta-feira que, se a Fifa quisesse que a Copa do Mundo fosse realizada em mais de um país, então deveria se voltar aos países candidatos que perderam para o Catar na votação.

"O Catar mostrou que pode sediá-la, então ela deve ser aqui e no inverno -- isso é uma mudança lógica, mas não é justo falar sobre mudança de local nessa altura", afirmou ele.