Federação de Atletismo da Espanha quer punição maior por doping

domingo, 16 de janeiro de 2011 14:21 BRST
 

MADRI (Reuters) - A Real Federação Espanhola de Atletismo (RFEA) pediu que se aumente para até quatro anos as sanções impostas aos atletas por doping.

A RFEA pedirá "para as autoridades e organismos" que modifiquem as normas "a fim de endurecer as sanções pelo uso ou incentivo de técnicas ilícitas de apoio biológico a atletas, propondo que passe a ser de quatro anos a sanção que agora é de dois anos", disse a federação em comunicado no domingo.

A proposta é apresentada logo depois que vários atletas e treinadores espanhóis, incluindo a campeã mundial dos 3 mil metros com obstáculos Marta Domínguez, foram mencionados na "operação Galgo", uma investigação policial sobre doping esportivo.

Domínguez, que nega o doping, é suspeita de tráfico de sustâncias ilegais e deixou de ser vice-presidente da RFEA.

A RFEA também sugere a adoção do "passaporte biológico", que ajudaria a descobrir casos de doping ao medir e monitorar alguns indicadores de saúde dos atletas, que em caso de variações anormais poderiam indicar o uso de substâncias ilícitas.

A União Internacional dos Ciclistas foi a primeira organização a introduzir o "passaporte biológico", que foi aplicado para ciclistas profissionais.

A Federação Internacional de Atletismo disse no mês passado que tinha planos de instaurar um rigoroso programa de testes antidoping baseado no "passaporte biológico" para o próximo campeonato mundial que ocorrerá em agosto em Daegu, Coreia do Sul.

(Por Iain Rogers)