Ronaldo: superação, gols e polêmica em carreira memorável

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011 13:40 BRST
 

Por Pedro Fonseca

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Ronaldo passou a ser chamado de "Fenômeno" pelos muitos gols marcados desde os 17 anos, mas o apelido também se aplica à capacidade do atacante de recuperar-se de graves contusões e de dar a volta por cima quando ninguém apostava mais nele.

Ao anunciar nesta segunda-feira o fim de sua carreira, o jogador de 34 anos deixa cravado seu nome na história do futebol com dois títulos mundiais, o recorde de 15 gols em Copa do Mundo e com três prêmios da Fifa de melhor do mundo.

Tudo isso, apesar de cirurgias no joelho que colocaram sua carreira em risco, dos constantes problemas de peso, de uma misteriosa convulsão antes de uma final de Copa e da vida polêmica fora das quatro linhas.

Os problemas físicos foram justamente o principal motivo citado por Ronaldo para antecipar o encerramento de sua carreira, que estava previsto para o fim da temporada. A eliminação do Corinthians na Copa Libertadores e os consequentes protestos da torcida -- tendo o atacante como alvo principal -- também pesaram na decisão.

Foram pouco mais de dois anos de altos e baixos no clube paulista, para onde o atacante se transferiu em 2009 após ter passado por uma terceira cirurgia de joelho. A escolha pelo time paulista causou a ira da torcida do Flamengo, clube de infância do jogador e onde passou por um período de recuperação em 2008 antes de voltar aos campos.

O retorno ao Brasil deu a Ronaldo seus dois únicos títulos conquistados no país -- o Campeonato Paulista e a Copa do Brasil em 2009 -- após 15 anos de sucesso em alguns dos maiores clubes do mundo. Mas a constante luta contra a balança e uma sequência de problemas físicos, principalmente em 2010, azedaram a relação do jogador com a torcida.

"Estou falando e respirando isso há 16 anos e estou um pouco de saco cheio. Não gosto de falar de futebol, não gosto de ver jogo na TV, mas futebol é minha paixão", afirmou o jogador em dezembro do ano passado num seminário sobre futebol no Rio.

"VITÓRIA ERA VOLTAR A JOGAR"   Continuação...

 
<p>Ronaldo comemora um dos dois gols marcados na final da Copa do Mundo de 2002 contra a Alemanha. REUTERS/Jerry Lampen/Arquivo</p>