14 de Fevereiro de 2011 / às 15:43 / 7 anos atrás

Ronaldo: superação, gols e polêmica em carreira memorável

<p>Ronaldo comemora um dos dois gols marcados na final da Copa do Mundo de 2002 contra a Alemanha.Jerry Lampen/Arquivo</p>

Por Pedro Fonseca

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Ronaldo passou a ser chamado de "Fenômeno" pelos muitos gols marcados desde os 17 anos, mas o apelido também se aplica à capacidade do atacante de recuperar-se de graves contusões e de dar a volta por cima quando ninguém apostava mais nele.

Ao anunciar nesta segunda-feira o fim de sua carreira, o jogador de 34 anos deixa cravado seu nome na história do futebol com dois títulos mundiais, o recorde de 15 gols em Copa do Mundo e com três prêmios da Fifa de melhor do mundo.

Tudo isso, apesar de cirurgias no joelho que colocaram sua carreira em risco, dos constantes problemas de peso, de uma misteriosa convulsão antes de uma final de Copa e da vida polêmica fora das quatro linhas.

Os problemas físicos foram justamente o principal motivo citado por Ronaldo para antecipar o encerramento de sua carreira, que estava previsto para o fim da temporada. A eliminação do Corinthians na Copa Libertadores e os consequentes protestos da torcida -- tendo o atacante como alvo principal -- também pesaram na decisão.

Foram pouco mais de dois anos de altos e baixos no clube paulista, para onde o atacante se transferiu em 2009 após ter passado por uma terceira cirurgia de joelho. A escolha pelo time paulista causou a ira da torcida do Flamengo, clube de infância do jogador e onde passou por um período de recuperação em 2008 antes de voltar aos campos.

O retorno ao Brasil deu a Ronaldo seus dois únicos títulos conquistados no país -- o Campeonato Paulista e a Copa do Brasil em 2009 -- após 15 anos de sucesso em alguns dos maiores clubes do mundo. Mas a constante luta contra a balança e uma sequência de problemas físicos, principalmente em 2010, azedaram a relação do jogador com a torcida.

"Estou falando e respirando isso há 16 anos e estou um pouco de saco cheio. Não gosto de falar de futebol, não gosto de ver jogo na TV, mas futebol é minha paixão", afirmou o jogador em dezembro do ano passado num seminário sobre futebol no Rio.

"VITÓRIA ERA VOLTAR A JOGAR"

A carreira internacional começou depois de Ronaldo ter acompanhado do banco de reservas a conquista do Brasil na Copa do Mundo de 1994 nos EUA. O clube holandês PSV abriu as portas da Europa para o então menino de 17 anos.

De lá, passou por Barcelona (onde teve alguns de seus melhores momentos), Inter de Milão (ficou quase dois anos sem jogar após as cirurgias de joelho em 1999 e 2000), Real Madrid (clube onde mais jogou e mais fez gols na Europa) e Milan (encerrou a carreira europeia sem muito brilho).

Mas a grande marca da carreira de Ronaldo foi a seleção brasileira. Além de estar atrás apenas de Pelé na lista de artilheiros da história da equipe, o atacante foi o grande nome do quinto título mundial conquistado pelo Brasil, sendo o artilheiro da Copa de 2002.

Meses antes da Copa de 2002 a participação de Ronaldo ainda era dúvida em decorrência da segunda operação no joelho, que o deixou afastado dos gramados por 15 meses. Mas o jogador apresentou uma recuperação acima da média e liderou o Brasil na vitória sobre a Alemanha na final por 2 x 0. Dois gols de Ronaldo.

"A minha grande vitória era voltar aos campos, voltar a jogar futebol, marcar gols. A conquista do penta veio coroar minha luta durante o período de recuperação", disse, emocionado após aquela final.

A conquista marcou também uma volta por cima quatro anos após a polêmica derrota para a França na final da Copa de 1998. Num episódio cercado de mistério, descobriu-se que Ronaldo teve uma séria convulsão horas antes da decisão e só entrou em campo após ser submetido a exames numa clínica. Uma apática seleção brasileira foi atropelada por 3 x 0 pelos donos da casa.

Fora de campo, Ronaldo notabilizou-se em duas áreas: o sucesso de marketing e as polêmicas na vida pessoal. Quase tão importante quanto o Ronaldo jogador, o garoto- propaganda Ronaldo também fez sucesso ao redor do mundo.

Contratos milionários com grandes empresas fazem dele um rosto conhecido mesmo em países sem paixão pelo futebol, como nos EUA. Mas não sem custo. Muitas vezes Ronaldo já foi acusado de priorizar seus compromissos com patrocinadores em detrimento do futebol.

A vida pessoal de Ronaldo, que começou de forma pacata com o casamento com a ex-jogadora Milene Domingues, transformou-se em tema favorito das colunas sociais a partir do romance com a modelo Daniela Cicarelli -- com quem Ronaldo ficou três meses casados em 2006. Antes de voltar ao Corinthians, ele envolveu-se numa polêmica com travestis no Rio de Janeiro e chegou a prestar depoimento em uma delegacia.

Com as chuteiras penduradas, Ronaldo ainda deve permanecer no mundo do futebol ligado ao Corinthians -- clube que tem uma série de acordos comerciais com a participação do jogador.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below