February 23, 2011 / 11:15 PM / 6 years ago

Estádios de SP e Natal para Copa preocupam, diz diretor do BNDES

4 Min, DE LEITURA

Por Rodrigo Viga Gaier

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Os projetos de São Paulo e Natal para a construção de arenas para a Copa do Mundo de 2014 são os mais atrasados entre as 12 cidades-sede e entraram na classificação de "preocupante", segundo o diretor do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) Élvio Gaspar.

"São duas arenas que inspiram cuidado: Natal e São Paulo. Natal vai fazer a licitação e São Paulo ainda não tem os recursos necessários para ampliar a capacidade em 20 mil", disse Gaspar nesta quarta-feira.

O executivo considera que São Paulo já está com o prazo apertado para receber jogos da Copa das Confederações, em 2013.

São Paulo deve receber a abertura do Mundial, segundo o comitê organizador local, porém, ainda não está claro como o Corinthians vai ampliar o projeto de seu estádio, com início de obras previsto para o mês que vem, para os 65.000 lugares que a Fifa exige para abrir o torneio.

"Essa equação é que ainda não foi fechada e a prefeitura de São Paulo está tentando ajudar o Corinthians no projeto do seu estádio que seria usado na Copa", afirmou o diretor do BNDES, responsável pelo programa de financiamentos para os estádios da Copa.

Gaspar destacou que a licitação para a construção da arena de Natal só ocorrerá em março e lembrou que antes das obras saírem do papel será preciso ainda respeitar os prazos legais de recurso dos grupos derrotados na concorrência.

"Um processo licitatório envolve idas e vindas. Tem prazo recursal e etc. Já um projeto privado, como o do Corinthians, uma vez que se pague e fique em pé, aí ele deslancha", avaliou o executivo do BNDES.

OUTROS ESTÁDIOS

Recentemente, o Tribunal de Contas da União chamou atenção para falhas no detalhamento do projeto das obras do Maracanã, no Rio de Janeiro, na fase de licitação, o que restringe o repasse de recursos do BNDES ao grupo vencedor da concorrência.

O programa BNDES Pró-Copa prevê um teto de 400 milhões de reais para cada projeto de arena para o Mundial. Até agora, o banco aprovou mas não liberou empréstimos para o Maracanã.

"A rigor, se não houver um acerto com o TCU, o governo do Estado pode financiar com recursos dele e o BNDES não entraria... existe sim o risco de o BNDES não participar", declarou Gaspar, ressaltando que o Tribunal de Contas do Estado aprovou a licitação questionada pelo TCU.

O BNDES já concedeu parte dos recursos demandados para os estádios de Manaus e Cuiabá. Os empréstimos para arenas das cidades de Fortaleza, Salvador e Recife já foram aprovados, mas ainda não foram liberados por questões burocráticas.

Apesar dos problemas no processo de licitação e construção das arenas, o diretor do BNDES ainda acredita que os estádios ficarão prontos em prazo hábil para a disputa do Mundial de 2014 e que eles serão muito úteis depois do torneio.

"Temos um futebol pujante e não corremos o risco de acontecer o que aconteceu na África do Sul (sede da Copa de 2010). A maioria dos estádios já existe e os que estão sendo construídos tem mercado garantido", disse ele.

"A população da África do Sul é um quarto da nossa e a importância do futebol lá é muito menor. Ainda faltam três anos e meio e temos tempo", finalizou.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below