Minha candidatura não vai dividir a Fifa, diz Bin Hammam

sábado, 19 de março de 2011 14:30 BRT
 

Por Martin Petty

BANGCOC (Reuters) - Mohamed Bin Hammam, o chefe da Confederação de Futebol da Ásia, negou que a sua candidatura à presidente da Fifa vá dividir o órgão que regulamenta o futebol. Ele disse, neste sábado, que espera uma luta justa contra o atual presidente Joseph Blatter, candidato à reeleição.

As declarações do dirigente de 61 anos do Catar foram uma resposta a Franz Beckenbauer, vencedor da Copa do Mundo quando jogava pela Alemanha e membro do comitê executivo da Fifa, que está prestes a deixar o cargo.

O ex-jogador disse que a campanha para destituir Blatter era "perigosa" e coloca a unidade da organização em risco.

Bin Hammam, que é apontado como responsável pelo crescimento do esporte na Ásia e por ajudar a levar a Copa do Mundo de 2022 para o Catar, entrou no ringue na sexta ao dizer que o atual momento é ideal para mudanças na Fifa que tem 13 anos consecutivos sob o comando de Blatter, 75.

"Eu sou um grande fã de Franz Beckenbauer. Ele é uma lenda do futebol, uma das pessoas que eu mais gosto. Mas porque a Fifa iria se dividir com dois candidatos concorrendo à presidência?", disse Bin Hammam a repórteres.

"Eu sempre respeito os meus adversários. O presidente Blatter é um colega e amigo. Eu não vou criar ou encorajar algo que divida a família futebol."

Bin Hammam deu as declarações durante um workshop em Bangcoc para executivos dos maiores campeonatos na Ásia. Reestruturação do comitê executivo da FIFA, mais transparência, mais recursos para as federações nacionais e introdução de tecnologia para verificar se a bola cruzou ou não a linha do gol estão entre os seus planos se ele conseguir vencer no congresso da Fifa em 1o de junho.

O dirigente do Catar disse que teve tempo suficiente para conquistar apoio das federações para a sua campanha e que as suas propostas tratam tanto de melhorar o jogo para os torcedores quanto para conquistar os votos que precisa.

"Não se trata de nós, isso é para o futebol e os torcedores. Nós cuidados do futebol em nome deles. A opinião pública sobre como nós fazemos esse trabalho é muito importante", disse.

Bin Hammam acrescentou que esta campanha é o seu último projeto no futebol antes da aposentadoria.