CBF rebate Fifa e destaca união entre governos e comitê da Copa

terça-feira, 29 de março de 2011 17:59 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - O presidente da CBF e do comitê organizador da Copa do Mundo de 2014, Ricardo Teixeira, respondeu nesta terça-feira às críticas feitas pelo presidente da Fifa, Joseph Blatter, ao ritmo da preparação do Brasil para o Mundial e negou que divergências entre políticos brasileiros esteja prejudicando o andamento das obras.

"Desconheço que haja qualquer confronto entre prefeitos e governadores em qualquer uma das 12 sedes da Copa do Mundo de 2014. Ao contrário, a Fifa testemunha há anos um trabalho integrado do poder público com o Comitê Organizador Local (COL) e a própria Fifa", disse Teixeira em nota publicada no site da CBF, um dia após as críticas feitas por Blatter na Suíça.

Segundo Teixeira, a presidente Dilma Rousseff tem mostrado apoio "no que diz respeito às principais atribuições do governo federal (aeroportos e mobilidade urbana nas 12 cidades)". "Não é papel da CBF pressionar governantes, ainda mais quando não há nenhum motivo para tal", disse.

Blatter afirmou na segunda-feira que o Brasil precisa acelerar os preparativos para sediar a Copa de 2014, advertindo os brasileiros que o torneio será "amanhã", e não "depois de amanhã".

Ele disse ainda que as obras no país estão mais atrasadas em relação ao que acontecia na mesma época na África do Sul, sede da competição em 2010, e também citou possíveis divergências políticas.

O comunicado de Teixeira não faz um balanço das obras para o Mundial, mas cita os estádios de Rio de Janeiro e São Paulo, principais candidatos a sediar a final e a abertura do torneio, respectivamente.

Sobre o Maracanã, afirma que a arena será entregue dentro do prazo, apesar dos problemas encontrados recentemente na cobertura, que terá que ser refeita e não apenas restaurada.

O estádio de São Paulo para a Copa ainda não começou a ser construído, porém Teixeira declarou que tem "a garantia por parte dos envolvidos de que o estádio também será entregue no prazo previsto".

O dirigente brasileiro convidou Blatter a vir ao país "para ver de perto o progresso que ele mesmo elogiou após uma reunião do conselho Fifa/COL, realizada no início deste mês, em Zurique".