SP dificilmente terá jogo da Copa das Confederações, diz ministro

segunda-feira, 2 de maio de 2011 17:42 BRT
 

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A cidade de São Paulo está praticamente fora da Copa das Confederações de 2013, afirmou o ministro do Esporte, Orlando Silva, nesta segunda-feira.

O ministro disse que as obras do estádio a ser construído pelo Corinthians -- que ainda não começaram -- dificilmente ficarão prontas a tempo para o evento que antecede o Mundial de 2014 e é considerado o principal preparativo para a Copa do Mundo.

"O plano de obras do estádio de São Paulo exige 33 meses de prazo, então, evidentemente, esse plano orientado pelo governo do Estado, prefeitura e Corinthians, dono do estádio, não contempla a Copa das Confederações", disse o ministro a jornalistas em viagem ao Rio de Janeiro.

"Ao que parece, será muito difícil que São Paulo participe", acrescentou.

A Prefeitura de São Paulo e o Corinthians fecharam um acordo com o Ministério Público (MP) na semana passada que prevê o pagamento pelo clube de 12 milhões de reais em contrapartidas sociais pela cessão do terreno em Itaquera, e o início das obras agora depende de uma autorização formal do MP.

De acordo com o governo paulista, no máximo em duas semanas será concedida a autorização para o começo da construção do estádio, que teve sua capacidade ampliada de 48 mil para 65 mil torcedores de olho em receber o jogo de abertura da Copa do Mundo.

O ministro ironizou as repetidas promessas das autoridades de São Paulo com relação ao início das obras. "Faz tempo que tenho notícia que será nos próximos dias e espero que os próximos dias estejam realmente próximos", disse.

São Paulo é a mais atrasada das 12 cidades-sedes da Copa do Mundo na construção ou reforma de seu estádio para o Mundial. Em Natal, as obras também estão atrás do cronograma, mas a cidade não estava prevista para participar da Copa das Confederações.

O presidente da Fifa, Joseph Blatter, criticou em março o ritmo dos preparativos brasileiros para a Copa do Mundo, e citou São Paulo como um caso especialmente preocupante para a Copa das Confederações.   Continuação...