Crise na Fifa se agrava com denúncias sobre Copa no Catar

segunda-feira, 30 de maio de 2011 11:26 BRT
 

Por Mike Collett

ZURIQUE (Reuters) - A crise da Fifa ficou ainda mais grave nesta segunda-feira, depois que o secretário-geral da entidade confirmou ter enviado um email particular a um colega do comitê executivo dizendo que o Catar teria comprado o direito de organizar a Copa do Mundo de 2022.

Jêróme Valcke, que como secretário-geral é o braço-direito do presidente da Fifa, Joseph Blatter, disse a repórteres que um email tornado público pelo vice-presidente da entidade Jack Warner é verdadeiro.

De acordo com Warner, que está suspenso provisoriamente de todas as atividades relacionadas ao futebol por suspeita de corrupção na eleição da Fifa desta semana, o email refere-se a Mohamed bin Hammam, que era o único candidato contra Blatter.

"Sobre MBH, nunca entendi por que ele está concorrendo", disse Valcke no email, segundo Warner. "Se ele realmente achou que tinha uma chance ou se foi apenas uma maneira extrema de mostrar como ele não gosta mais de JSB (Blatter)."

"Ou ele pensou que poderia comprar a Fifa como comprou a WC (Copa do Mundo)", acrescentou o email.

O catariano Bin Hammam, presidente da Confederação Asiática de Futebol, retirou sua candidatura à presidência da Fifa pouco antes de ser suspenso, junto com Warner, pelo comitê de ética da Fifa no domingo. Os dois foram considerados suspeitos de tentar comprar os votos de dirigentes do Caribe.

Valcke confirmou a repórteres em Zurique nesta segunda-feira que enviou o email, mas que Warner publicou apenas algumas partes selecionadas.

"Era um email particular e vamos discutir isso", disse Valcke antes do congresso da Fifa, que começa na terça-feira.   Continuação...