Ex-jogadores deveriam dirigir Fifa, diz Carlos Alberto Torres

segunda-feira, 30 de maio de 2011 21:07 BRT
 

Por Pedro Fonseca

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O futebol deveria ser dirigido por personalidades ligadas diretamente ao esporte, como os ex-jogadores, disse o capitão da seleção brasileira campeã do mundo em 1970, Carlos Alberto Torres, nesta segunda-feira, em meio às denúncias de corrupção na Fifa.

"Acho que deveria haver uma mudança geral, tem tanta gente boa que poderia assumir", afirmou Torres à Reuters em entrevista por telefone.

"Uma denúncia como essa que aconteceu afasta até as grandes empresas, tira o objetivo das grandes empresas de investir no futebol", acrescentou.

Acusações de corrupção envolvendo dirigentes do comitê executivo da Fifa, que estão sendo investigados pela comissão de ética da entidade, levaram à suspensão do vice-presidente da Fifa e presidente da Concacaf, Jack Warner, e do presidente da Confederação Asiática de Futebol, Mohamed Bin Hammam, no fim de semana.

O presidente da Fifa, Joseph Blatter, foi inocentando da mesma investigação e agora vai concorrer sozinho por um quarto mandato à frente da entidade responsável pelo futebol mundial, depois que Bin Hammam retirou sua candidatura em consequência das acusações.

As alegações de corrupção começaram desde a eleição para as sedes dos Mundiais de 2018 e 2022, em Zurique, em dezembro.

O Catar foi acusado de comprar votos em sua vitória para organizar a Copa de 2022, enquanto quatro dirigentes do comitê executivo da Fifa, incluindo o brasileiro Ricardo Teixeira, foram acusados pelo ex-líder da candidatura inglesa para 2018 de terem oferecido vender seus votos.

Essas denúncias foram negadas pela Fifa nesta segunda-feira, com Blatter dizendo que todos os acusados eram inocentes. Apenas Bin Hammam e Warner seguem sendo investigados pelas acusações de corrupção na eleição presidencial da entidade.   Continuação...