May 31, 2011 / 3:02 PM / in 6 years

Patrocinadores aumentam pressão sobre Fifa após escândalo

3 Min, DE LEITURA

Presidente da Fifa, Joseph Blatter, ao lado da presidente da Suíça, Micheline Calmy-Rey, na abertura do Congresso da Fifa em Zurique. 31/05/2011Arnd Wiegmann

Por Brian Homewood

ZURIQUE (Reuters) - Mais dois dos principais patrocinadores da Fifa, Visa e Emirates Airlines, aumentaram a pressão nesta terça-feira para que a entidade realize amplas reformas após o escândalo de corrupção que atinge a federação, repetindo os pedidos de Coca-Cola e Adidas.

As empresas, que são parceiras da Fifa e de seus principais torneios de futebol -- em especial a Copa do Mundo --, demonstraram insatisfação com a recente onda de acusações de corrupção, que inclui suspeitas de compra de votos tanto na eleição presidencial da entidade como na escolha das sedes dos Mundiais de 2018 e 2022.

"A situação atual não é boa para o esporte e nós pedimos à Fifa que tome todas as medidas necessárias para resolver as questões que foram levantadas", disse a Visa Europa em comunicado.

A Emirates expressou preocupação, afirmando estar "desapontada com as questões que cercam atualmente a administração do esporte", ampliando para quatro de seis o número dos patrocinadores principais da Fifa a demonstrar insatisfação com a situação.

A empresas brasileiras patrocinadoras menores da Fifa, Oi e Seara, no entanto, preferiram não comentar as acusações de corrupção da entidade quando procuradas pela Reuters.

eleição

A crise atual é considerada a pior da história da Fifa, mas o presidente Joseph Blatter, de 75 anos, que dirige a entidade desde 1998, tem minimizado os problemas enquanto se prepara para ser eleito na quarta-feira para mais um mandato. Ele é candidato única da eleição.

"Crise? Onde está a crise?", disse Blatter a repórteres numa entrevista coletiva tensa na segunda-feira na sede da Fifa.

A Associação Inglesa de futebol (FA) pediu nesta terça-feira que a eleição presidencial seja adiada após o agravamento do escândalo de corrupção, pedido que foi ecoado pela Escócia.

A única maneira de Blatter não ser reeleito na quarta-feira é se o Congresso da Fifa adiar ou aprovar um pedido de adiamanto da votação, com o apoio de 75 por cento dos delegados.

É improvável que isso aconteça, uma vez que Blatter, ao contrário de sua popularidade em baixa com os torcedores, é bastante considerado entre os dirigentes.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below