Para Havelange, críticas à Fifa são motivadas por inveja

terça-feira, 31 de maio de 2011 16:26 BRT
 

ZURIQUE (Reuters) - O ex-presidente da Fifa João Havelange disse nesta terça-feira que as críticas à federação internacional de futebol foram motivadas por inveja.

"Todo mundo está procurando por erros, porque todo mundo quer sentar naquela cadeira", disse o brasileiro, de 95 anos, a repórteres, referindo-se às críticas ao presidente Joseph Blatter, que deve ser reeleito para mais um mandato na quarta-feira.

"Vocês falam sobre sofrimento, mas eu quero falar sobre felicidade", acrescentou Havelange, que recebeu uma saudação especial de Blatter na cerimônia de abertura do Congresso da Fifa.

Blatter pediu aos delegados da Fifa que dessem as boas-vindas a Havelange, que é presidente de honra da entidade e ainda está em forma para comparecer aos compromissos oficiais da federação.

"A Fifa tem 208 associações integrantes e cuida de cada uma delas", disse Havelange.

"As competições estão ocorrendo normalmente e há desenvolvimento em todos os aspectos do futebol mundial -- financeiro, técnico e em termos disciplinares."

Havelange foi presidente da Fifa entre 1974 e 1998. Blatter foi secretário-geral de Havelange a partir de 1981, até sucedê-lo como presidente 13 anos atrás.

O presidente da CBF, Ricardo Teixeira, ex-genro de Havelange, foi um dos quatro membros do comitê executivo da Fifa acusados por um ex-presidente da federação inglesa de terem oferecido vender seus votos para a candidatura da Inglaterra na eleição para a Copa do Mundo de 2018.

David Triesman, que também era o líder da candidatura inglesa, disse que quando abordou Teixeira sobre o tema, o brasileiro respondeu: "O que você tem para mim?".

Teixeira negou a acusação e foi inocentado de qualquer irregularidade pela Fifa, após uma investigação interna sobre as acusações.

(Por Brian Homewood)