11 de Julho de 2011 / às 19:08 / em 6 anos

Lúcio pede à seleção mais comprometimento em campo

O zagueiro Lúcio disputa lance com o paraguaio Cristian Riveros em jogo da Copa América no dia 9 de julho. O brasileiro pediu à seleção mais comprometimento em campo após dois empates na competição. REUTERS/Enrique Marcarian

Por Miguel Lobianco

BUENOS AIRES (Reuters) - O capitão Lúcio criticou nesta segunda-feira as atuações da seleção brasileira na Copa América e pediu que os jogadores honrem a camisa do Brasil.

O Brasil empatou seus dois primeiros jogos pelo Grupo B -- 0 x 0 com a Venezuela e 2 x 2 com o Paraguai -- e está empatado com os paraguaios com dois pontos, atrás da surpreendente líder Venezuela.

“Ninguém está contente com esses resultados”, disse Lúcio em entrevista coletiva no local de treinamentos da seleção brasileira, perto de Buenos Aires, após o jogo de sábado com o Paraguai em Córdoba.

“Sabemos a qualidade dos jogadores que temos nesse time, nós temos que mostrar mais, mais seriedade e mais comprometimento com a camisa da seleção brasileira”, acrescentou o zagueiro.

“O escudo na frente da camisa é mais importante que o nome que está nas costas”, disse o jogador de 33 anos, o mais experiente do grupo atual e remanescente da conquista do título mundial de 2002.

Lúcio, que também foi o capitão do Brasil na Copa do Mundo da África do Sul do ano passado, pediu que todos os jogadores se entreguem mais dentro de campo.

“Cada um de nós tem que procurar melhorar e entender que precisamos dar um pouco mais, porque não estamos conseguindo os resultados”, disse.

“Sabemos que precisamos colocar mais energia, mais seriedade e mais competitividade. Todo mundo precisa mostrar algo mais, porque essa é a seleção brasileira.”

Apesar da expectativa criada em torno de uma equipe renovada pelo técnico Mano Menezes, com jovens como a dupla do Santos Neymar e Paulo Henrique Ganso, o Brasil ainda não conseguiu jogar o esperado na Copa América.

Neymar, que chegou à seleção após brilhar na conquista da Copa Libertadores por seu clube, está distante do futebol que fez dele um dos principais jogadores do país nos últimos anos. Mesmo assim, Mano saiu em defesa do atacante de 19 anos.

“Ele é uma das grandes esperanças que temos. Ele já é uma realidade para o Santos e mostrou um bom futebol em alguns amistosos da seleção”, disse o treinador.

“Mas temos que esperar por ele, e esse torneio também está muito mais difícil do que eu esperava.”

O treinador pediu que Neymar solte a bola com mais velocidade e jogue mais coletivamente.

“Contra o Paraguai ele estava sempre marcado por três adversários. Ele precisa perceber isso mais rápido, porque atrás desses marcadores há muitos espaços (que outros jogadores podem aproveitar).”

O Brasil enfrenta o Equador em Córdoba na quarta-feira (21h45 de Brasília) e precisa de uma vitória para garantir-se com certeza nas quartas de final. O Paraguai pega a Venezuela, em Salta, no mesmo dia mais cedo.

Reportagem adicional de Rex Gowar

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below