Klinsmann estabelece metas modestas para os EUA

segunda-feira, 1 de agosto de 2011 18:54 BRT
 

Por Julian Linden

NOVA YORK (Reuters) - Como um ex-campeão mundial, Juergen Klinsmann sabe o que se precisa para conquistar uma Copa do Mundo. A seleção masculina de futebol dos EUA nunca chegou lá, e por isso contratou o ex-atacante alemão para ensinar o caminho.

De várias formas o casamento parece perfeito. Klinsmann tem a experiência dentro e fora de campo, enquanto os norte-americanos tem os recursos e o desejo de sucesso. Mas o alemão, que disse ter aprendido o jeito de pensar dos Estados Unidos após 13 anos vivendo na Califórnia, está bastante realista.

"Não posso prometer nada", disse o ex-jogador em entrevista coletiva nesta segunda-feira. "Há uma série de desafios difíceis pela frente."

Diante de dezenas de jornalistas, fotógrafos e câmeras de televisão espremidos em uma loja de Manhattan, Klinsmann teve uma recepção digna dos maiores astros da liga de futebol americano dos EUA (NFL) em sua apresentação oficial como novo técnico da seleção, mas ele foi bastante realista sobre as perspectivas de seu esporte.

"Acredito que o futebol tem que refletir a cultura do país", disse. "Eu estudei os EUA pelos últimos 13 anos, e será um grande desafio. Há muitas opiniões, muitas ideias no futebol juvenil e nas escolas, que são um modelo diferente de qualquer lugar do mundo."

O ex-atacante da Alemanha, que foi campeão do mundo em 1990 dentro de campo e levou a equipe ao terceiro lugar na Copa de 2006 em seu próprio país como treinador, disse que conquistar o título mundial não é uma meta realista a curto prazo.

"Vai levar uma quantidade enorme de horas dos rapazes jogando para que um dia estejam entre os quatro melhores do mundo e talvez disputar, competir de verdade, pela Copa do Mundo", disse ele à Reuters.

Klinsmann, de 47 anos, tinha seu nome cogitado há pelo menos dois anos para substituir o ex-técnico Bob Bradley, mas a decisão só foi tomada após a derrota dos EUA para o México na final da Copa Ouro.