Grande Prêmio do Barein em 2012 deve ocorrer em novembro

sexta-feira, 5 de agosto de 2011 11:46 BRT
 

LONDRES (Reuters) - O chefe comercial da Fórmula 1 Bernie Ecclestone concordou em adiar provisoriamente o Grande Prêmio do Barein da próxima temporada, de março para novembro, por conta da instabilidade política no país.

A corrida deste ano no circuito Sakhir, originalmente programada para iniciar a temporada em março e depois adiada para 30 de outubro em decorrência de uma sangrenta revolta popular, foi finalmente eliminada do calendário em junho depois de pressão das equipes.

Ao anunciar o calendário provisório para 2012 em junho, o corpo dirigente FIA colocou o reino do Golfo Pérsico como provável local inaugural da temporada em março.

No entanto, as revoltas no Barein continuaram, obrigando o governo a solicitar uma data posterior, segundo informações divulgadas na versão online do Financial Times.

"Eles não querem (a corrida) logo no começo, então eu tive que ajustar o calendário inteiro", disse Ecclestone ao jornal.

Enquanto o calendário da próxima temporada permanece provisório, a nova data de 4 de novembro, três corridas antes da final, poderia causar problemas logísticos para as equipes, que enfrentam seis corridas em rápida sucessão em continentes diferentes.

No entanto, um porta-voz do Circuito Internacional do Barein disse que uma corrida em novembro poderia ter vantagens.

"Estamos muito contentes em sediar o Grande Prêmio em novembro. Devido às altas temperaturas em nosso verão, o começo ou o final da estação é melhor. Novembro é o melhor mês para nós", disse um porta-voz ao jornal.

O Barein tem sido um problema para a FIA desde que manifestantes xiitas foram às ruas da capital Manama em fevereiro, exigindo o fim da liderança sunita no país.   Continuação...

 
Chefe comercial da Fórmula 1, Bernie Ecclestone, durante entrevista antes do Grande Prêmio da Alemanha, no circuito Nuerburgring, em julho. Ecclestone concordou em adiar provisoriamente o Grande Prêmio do Barein da próxima temporada, de março para novembro, por conta da instabilidade política no país. 23/07/2011  REUTERS/Alex Domanski