Ministro italiano chama jogadores de "mimados"

quarta-feira, 17 de agosto de 2011 15:13 BRT
 

MILÃO (Reuters) - Os jogadores de futebol da Itália foram chamados de "mimados" por um ministro de direita depois de terem ameaçado entrar em greve para exigir seus direitos.

O Sindicato dos Jogadores reagiu rapidamente aos comentários, descrevendo como "sem sentido", mas sem dar indicações de que pode chegar a uma resolução para evitar a greve antes do início da temporada do Campeonato Italiano nos dias 27 e 28 de agosto.

Mais cedo este mês, o sindicato disse que a nova temporada poderia não começar até que um novo acordo coletivo fosse assinado, garantindo os direitos dos jogadores.

O acordo antigo venceu no final da temporada 2009/10 e as negociações para uma renovação duraram toda a última temporada, quando greves foram evitadas por duas vezes.

"Se essa classe mimada continuar com a ameaça de greve eu proponho que, assim como os políticos, eles dobrem as contribuições solidárias", disse o ministro de Gabinete, Roberto Calderoli, na quarta-feira.

"Não sei se as contribuições solidárias são justas ou não, mas se alguém deve pagá-las, são os jogadores."

A chamada contribuição solidária é um imposto temporário arrecadado de italianos que ganham mais de 90 mil euros por ano.

Leonardo Grosso, vice-presidente do Sindicato dos Jogadores Italianos (AIC), respondeu afirmando que "não faz sentido dizer que os jogadores são mimados".

"Os jogadores são contribuintes que seguem as regras. Deve-se lembrar que, enquanto alguns jogadores ganham muito, existem muitos outros que têm salários modestos e não são pagos em intervalos frequentes", acrescentou.   Continuação...

 
O ministro italiano Roberto Calderoli durante coletiva de imprensa no Palácio Chigi, em Roma. Foto de Arquivo. 13/08/2011 REUTERS/Tony Gentile