Líbia disputará eliminatórias da Copa das Nações Africanas

terça-feira, 30 de agosto de 2011 18:27 BRT
 

CAIRO (Reuters) - A seleção da Líbia, do técnico brasileiro Marcos Paquetá, disputará um jogo das eliminatórias da Copa das Nações Africanas no fim de semana, mas a partida marcada para Mali foi transferida para o Egito, informou a Confederação Africana de Futebol (CAF) nesta terça-feira.

O jogo pelo Grupo C contra Moçambique havia sido tirado de Trípoli por causa da situação de segurança no país e agora mudou de novo de local, desta vez para o Cairo. A CAF disse que o confronto de sábado será disputado sem torcida.

A Líbia vive há seis meses uma revolta popular contra os 42 anos de regime de Muammar Gaddafi.

Um porta-voz da CAF afirmou que a Líbia tinha solicitado o adiamento do jogo porque não poderia preparar a viagem dos atletas de Trípoli, onde os piores episódios de violência aconteceram nas últimas semanas, com a tomada do complexo de Gaddafi pelos rebeldes.

Desde que a Otan impôs uma zona de exclusão aérea sobre a Líbia, no começo da pressão feita pelos rebeldes pela derrubada de Gaddafi, as equipes tiveram que viajar por terra de Trípoli para Tunísia e então voar para vários destinos no continente.

A Líbia usou Bamako como local de sua última partida em "casa" pelo grupo, em março.

A federação não deu detalhes sobre a razão de transferir o jogo de sábado, embora a mudança sugira que a Líbia pode decidir usar jogadores baseados em Benghazi, já que essa cidade, usada como sede rebelde durante a revolta, fica mais perto do Egito.

O técnico Marcos Paquetá disse na semana passada que tinha se preparado para reunir o time no Marrocos e passar de 15 a 20 dias treinando, mas que foi impossível organizar isso.

O treinador, que está no Brasil, embarcará na quarta-feira para o Cairo. Ele terá apenas um dia para treinar o time. Em razão dos conflitos na Líbia, alguns dos 30 jogadores convocados não participaram das últimas partidas e agora a expectativa de Paquetá é se terá todos os atletas à disposição.

"Ainda não tenho uma ideia de quantos e quais jogadores poderão se apresentar. Espero que todos estejam bem e em condições de se juntar a nós no Egito. Como tenho contrato, vou dirigir o time neste jogo, mas vou aproveitar para conversar com os dirigentes e avaliar se darei continuidade a este projeto", disse Paquetá em comunicado.

(Texto de Mark Gleeson na Cidade do Cabo)