TRT do Rio considera greve de operários no Maracanã abusiva

sexta-feira, 16 de setembro de 2011 17:09 BRT
 

RIO DE JANEIRO (Reuters) - No dia em que o Brasil celebra a marca de mil dias para a Copa do Mundo, o Tribunal Regional do Trabalho (TRT) do Rio de Janeiro considerou a greve dos operários que trabalham na reforma do estádio do Maracanã abusiva e determinou que eles voltem ao trabalho após 16 dias de paralisação.

Uma audiência no TRT do Rio realizada nesta sexta-feira concluiu que a obra é abusiva, conforme acusara o consórcio responsável pela obras, formado pelas construtoras Odebrecht, Andrade Gutierrez e Delta.

Os trabalhadores deixaram a audiência prometendo fazer uma assembleia na porta do estádio na manhã de segunda-feira. "A assembleia é soberana e é lá que vamos definir os rumos do movimento", disse à Reuters por telefone o presidente do sindicato da construção pesada do Rio, Nilson Duarte.

"A ordem é para voltar e se não cumprirmos, o consórcio pode mandar embora por justa causa", adicionou o representante sindical.

Essa foi a segunda paralisação em menos de dois meses. A primeira, de cinco dias, ocorreu em agosto.

"A volta ao trabalho não significa que vamos deixar de fazer novas greves. Se as condições de trabalho, segurança e alimentar não forem melhoradas, outras virão", ameaçou Duarte.

O prazo de entrega da obra está comprometido, segundo o dirigente sindical: "Não dá mais para entregar à Fifa em dezembro do ano que vem. Só no primeiro trimestre de 2013", alertou.

O Maracanã será o principal palco da Copa das Confederações em 2013 e estádio da final do Mundial em 2014.

(Reportagem de Rodrigo Viga Gaier)