Brawn quer acordo justo sobre custos na F1

sexta-feira, 14 de outubro de 2011 10:17 BRT
 

YEONGAM, Coreia do Sul (Reuters) - Um acordo para a redução de custos na Fórmula 1 está por um triz, porque as grandes equipes estão começando a sentir os efeitos do aperto de cintos, disse nesta sexta-feira o chefe da equipes Mercedes, Ross Brawn.

O Acordo de Restrição de Recursos (RRA, na sigla em inglês) foi acertado por todas as equipes para proteger a categoria e ajudar as escuderias menores a sobreviverem em meio à crise financeira iniciada em 2008. O acordo expira no ano que vem.

Mas há especulações de que algumas equipes estão desrespeitando o acordo ou encontrando maneiras de disfarçar seus gastos reais.

"Acho que (o acordo) está numa encruzilhada, porque está começando a morder aqueles três ou quatro times que precisam controlar seus recursos para se adequarem", disse Brawn na Coreia do Sul, cenário do próximo GP.

A própria Mercedes fez contratações técnicas vultosas e precisa pagar o salário de um grande astro como Michael Schumacher. A Red Bull, virtual bicampeã do Mundial de Construtores, também é alvo de rumores sobre os seus gastos.

Brawn disse que o problema com o acordo é que ele não foi suficientemente estruturado para ter mecanismos de controle adequados.

(Por Alan Baldwin)