26 de Outubro de 2011 / às 17:33 / em 6 anos

Ministro confirma que Orlando Silva deixa Esporte nesta 4a

Por Jeferson Ribeiro

BRASÍLIA (Reuters) - O ministro do Esporte, Orlando Silva, vai deixar o cargo nesta quarta-feira, segundo um ministro que conversou com a presidente Dilma Rousseff sobre o futuro do colega no governo. Dilma, no entanto, ainda não tem uma definição sobre o substituto.

Esse ministro, que pediu para não ter seu nome revelado, confirmou que a cúpula do PCdoB, partido de Orlando Silva, vai se reunir com Dilma nesta quarta para oficializar a decisão.

Mais cedo, após reunião da bancada comunista no Congresso, o presidente da legenda, Renato Rabelo, disse a jornalistas que encontraria com Dilma para avaliar o quadro político de Orlando Silva.

Segundo a fonte ministerial, a presidente “ainda não teve tempo de pensar numa solução” para a substituição de Orlando Silva. “Ela pode optar por um interino”, disse o ministro.

Apesar da indefinição quanto ao sucessor, esse ministro disse que o cargo permanecerá com o PCdoB.

Mais cedo, duas fontes do governo disseram à Reuters que o nome mais cotado no partido para substituir Orlando Silva é o do ex-ministro e ex-presidente da Câmara dos Deputados Aldo Rebelo (SP).

Segundo uma fonte do Planalto, a situação do ministro do Esporte --envolvido em denúncias de desvios de recursos-- se tornou insustentável depois que o Supremo Tribunal Federal decidiu na segunda-feira abrir inquérito para investigar as supostas irregularidades na pasta comandada por ele.

A saída de Silva --principal interlocutor dentro do governo para a Copa do Mundo de 2014-- acontece em um momento em que o Executivo trava uma disputa com a Fifa, entidade que comanda o futebol mundial, sobre a Lei Geral da Copa, que dispõe sobre normas referentes ao Mundial de 2014, como preço de ingressos e proteção às marcas de patrocinadores.

Entre os pontos envolvidos nesta queda de braço estão a concessão de meia entrada em jogos do Mundial em alguns casos previstos em lei e a proibição da venda de bebidas alcoólicas em estádios.

A Fifa se opõe a essas medidas, mas o governo se recusa a suspender leis vigentes no país durante o torneio.

Além da disputa com a Fifa, a queda do ministro do Esporte é mais uma das preocupações em torno da Copa e da Olimpíada de 2016. Algumas obras de estádios e de infraestrutura --como as de mobilidade urbana e de aeroportos-- estão atrasadas, e críticos questionam o alto volume de recursos públicos envolvido na realização dessas competições.

A saída de Silva se somará a de outros cinco ministros que já deixaram o governo, quatro deles em meio a denúncias de irregularidades --Antonio Palocci (Casa Civil), Pedro Novais (Turismo), Wagner Rossi (Agricultura) e Alfredo Nascimento (Transportes).

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below