Após primeira corrida, equipes de F1 buscam patrocínios da Índia

terça-feira, 1 de novembro de 2011 13:03 BRST
 

Por Amlan Chakraborty

NOVA DÉLHI (Reuters) - A indiferença mostrada pela maioria das grandes corporações da Índia com a Fórmula 1 tem frustrado os chefes de equipe, que esperavam que as empresas estivessem animadas com o esporte após o sucesso do primeiro grande prêmio do país, no último fim de semana.

As equipes estão na sua maioria felizes com o mais novo palco da Fórmula 1 e acreditam que estão diante de um enorme mercado inexplorado, em uma das economias em crescimento mais rápidas do mundo.

"Eu acho que como todo mundo nós queríamos também atrair empresas indianas e é surpreendente que não haja muitas, ainda, na Fórmula 1, apesar de o potencial financeiro que elas têm", disse o executivo-chefe da Sauber, Monisha Kaltenborn.

O indiano Kaltenborn, pelo menos, conseguiu estampar a marca da fabricante de laticínios Amul na lateral do carro na corrida de domingo.

"Nós batalhamos duro e conseguimos obter uma das mais prestigiadas marcas locais com a Amul", disse.

"Acho que vamos continuar com isso agora. Um evento como este é a melhor plataforma, que é onde podemos nos apresentar e mostrar as empresas daqui o que é a Fórmula 1", disse.

O chefe da equipe Toro Rosso, Franz Tost, disse que as equipes não podiam se dar ao luxo de ignorar "os mercados para o futuro", como a Índia.

"É muito importante para a Fórmula 1 que a gente esteja correndo na Índia, que a gente vá a esses novos mercados interessantes e importantes para o futuro, como a Índia, como a China, a Rússia, a região árabe, a América do Sul."   Continuação...