ANÁLISE-Dia do fico de Neymar eleva status do futebol no Brasil

quinta-feira, 10 de novembro de 2011 17:52 BRST
 

Por Pedro Fonseca

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Quando o Brasil conquistou o último de seus cinco títulos mundiais em 2002, era inimaginável pensar que algum dos três maiores destaques daquele time --Ronaldo, Rivaldo e Ronaldinho-- pudessem jogar em um clube brasileiro, tamanha a diferença de qualidade e dos valores envolvidos no mercado do futebol entre Brasil e Europa.

O anúncio feito por Neymar, o maior jogador do futebol brasileiro na atualidade, de que vai continuar no Santos até a Copa do Mundo de 2014, a ser realizada no país, independentemente do assédio de potências estrangeiras como Barcelona e Real Madrid, é o marco de uma mudança de paradigma. E também mais um sinal do surgimento do Brasil como uma das potências econômicas globais.

De mero fornecedor de matéria-prima para o mercado europeu -- um reflexo no futebol também de seu antigo papel na economia global -- o Brasil passou a ser um cenário atrativo para os anos à frente. Em contraste com o temor de uma recessão que ameaça a zona do euro, a economia brasileira continua em crescimento, e o esporte finalmente parece ter descoberto seu potencial de lucratividade.

Os novos contratos de direitos de transmissão assinados este ano pelos maiores clubes do país com a TV são até 15 vezes superiores ao início dos anos 2000 -- chegando a 85 milhões de reais -- e algumas equipes conseguiram aumentar em até 10 vezes a arrecadação com patrocínio de uniforme e venda de produtos licenciados, segundo especialistas do mercado. Além disso, o real dobrou de valor em relação ao dólar desde 2003, reduzindo a diferença dos salários pagos no Brasil e no exterior.

"Hoje o futebol brasileiro é outro mundo economicamente. Os clubes agora estão sabendo como ganhar dinheiro e podem pagar bem aos melhores jogadores. O cara hoje só vai para a Europa se quiser mesmo", disse à Reuters o empresário de jogadores Wagner Ribeiro, agente de Neymar e que foi responsável por intermediar a venda de Robinho do Santos para o Real Madrid, em 2005.

Ao contrário de Robinho, e também dos pentacampeões Ronaldo e Ronaldinho, Neymar não vai precisar deixar o país ainda adolescente para tornar-se milionário e desfrutar dos privilégios de um astro internacional. Num dia de folga esta semana, ele foi fotografado de sunga em um iate de luxo com amigos e mulheres. A Folha de S.Paulo estampou a foto na capa do jornal nesta quinta-feira, com a seguinte manchete: "Europa. Para quê?"

O atacante, de apenas 19 anos, é o único jogador que não atua na Europa entre os 23 indicados ao prêmio Bola de Ouro da Fifa deste ano, e passará a ganhar estimados 3 milhões de reais por mês entre salário e acordos de patrocínio com o novo contrato firmado com o Santos -- o que o coloca entre os mais bem pagos do futebol mundial.

"São escolhas que a gente tem que fazer na vida e a minha foi continuar no Santos", disse um sorridente Neymar, de boné e com uma camisa com a frase escrita em inglês "É bom ser o rei", ao anunciar sua renovação com o Santos na quarta-feira.   Continuação...

 
Neymar assina seu novo contrato com Santos, em 9 de novembro. REUTERS/Ricardo Saibun/Santos FC/Divulgação