Villa fratura perna e desfalca Barcelona por 5 meses

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011 18:12 BRST
 

Por Alastair Himmer

YOKOHAMA, Japão, 15 Dez (Reuters) - O atacante da seleção da Espanha David Villa quebrou a perna esquerda nesta quinta-feira durante o jogo do Barcelona na semifinal do Mundial de Clubes no Japão contra o Al Sadd, do Catar, em que sua equipe venceu por 4 x 0. Ele deverá ficar fora dos gramados por até cinco meses.

"David fraturou a perna e voltará a Barcelona, onde será operado assim que possível", disse o técnico do Barça, Pep Guardiola, a jornalistas.

"Estamos todos muito tristes por ele. Ele tem uma personalidade carismática e esse é um grande golpe para o time", acrescentou Guardiola, depois do jogo que colocou os campeões europeus na final do Mundial contra o Santos.

Villa, o maior artilheiro de todos os tempos da seleção espanhola, com 50 gols em 81 partidas, caiu de mau jeito no primeiro tempo e imediatamente apontou para o banco antes de ser levado às pressas para um hospital local em Yokohama.

"Todos os jogadores estão muito preocupados com David. Esperamos que ele retorne assim que possível. Nossos pensamentos estão com ele e teremos de vencer o Mundial de Clubes sem ele."

O atual campeão da Europa e da Espanha disseram que essa é a primeira lesão sofrida por Villa desde que o atacante foi contratado do Valencia, no ano passado

A notícia é um grande revés para Guardiola e sua equipe, que buscam o título do Mundial de Clubes para completar um ano em que já levantaram as taças do Campeonato Espanhol, da Liga dos Campeões e da Copa do Rei.

O técnico da seleção espanhola, Vicente del Bosque, também deve se preocupar, pois Villa é o principal atacante da equipe que pretende defender o título na Eurocopa de 2012, na Polônia e Ucrânia.

O jogador, de 30 anos, teve papel central na vitória da Espanha na Copa do Mundo do ano passado, na África do Sul.

 
David Villa, do Barcelona, é transportado para fora de campo após ser lesionado durante jogo contra o Al Sadd no Mundial de Clubes, em Yokohama. 15/12/2011 REUTERS/Kim Kyung-hoon