Maracanã planeja estádio com autossuficiência energética

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011 17:00 BRST
 

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O novo estádio Maracanã quer entrar na era da sustentabilidade, com reuso de água da chuva e possibilidade de autossuficiência energética para a Copa do Mundo de 2014, segundo o governo do Estado do Rio de Janeiro.

A secretária de esportes do Rio, Márcia Lins, disse que está em estudo a implantação de placas fotovoltaicas na estrutura do Maracanã para captar luz solar e abastecer o estádio.

Um estudo especial está sendo elaborado para viabilizar o projeto, que não está contemplado no contrato de concessão com as empreiteiras contratadas para a adaptação do estádio para a Copa das Confederações de 2013 e a Copa de 2014.

"Os valores estão em estudo, mas estamos buscando parceiros para viabilizá-lo... queremos um Maracanã padrão ISO e cada vez mais high tech", disse à Reuters nesta quinta-feira a secretária Márcia Lins.

A secretária negocia com uma empresa alemã voltada para o desenvolvimento sustentável e com uma concessionária de energia do Rio o financiamento das placas que seriam instaladas na estrutura do estádio.

O projeto pode ser estendido para todo complexo do Maracanã, que inclui o ginásio poliesportivo Maracanazinho, estádio de atletismo Célio de Barros e parque aquático Julio Delamare, além das imediações da arena.

"Água e luz sempre tiveram um peso forte no custo operacional do Maracanã. É algo puxado", disse Lins.

"Se o projeto for amplificado, o Maracanã poderá até ter sobra de energia, geraria energia extra... se contar só o Maracanã seria o equivalente a abastecer uma cidade com 42 mil casas", acrescentou ela.

O projeto do novo Maracanã já prevê a reutilização de água da chuva para uso em banheiros e limpeza do estádio, e a nova cobertura vai permitir a captação dessa água e o emprego em torneiras, descargas e bica do estádio.   Continuação...